Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Esvaziada pelo Joesley Day, Previdência volta à pauta e anima mercado

25/09/2018 - 19:01
Joesley
Joesley Batista, da JBS, delatou o presidente e acabou com as esperança da reforma da Previdência

O mercado, de certa forma, voltou no tempo nesta terça-feira.

Em um longínquo maio de 2017, antes do histórico Joesley Day, o tema nas mesas de operações das corretoras e gestoras era a Reforma da Previdência. Hoje, 25 de setembro de 2019, o assunto é discutido novamente entre os investidores após o presidente da República, Michel Temer, levantar a possibilidade de dar uma pausa na Intervenção Federal no Rio de Janeiro para tentar votá-la.

O Ibovespa, que tinha iniciado o dia lidando com a verdade inconveniente de ter Fernando Haddad como favorito em um segundo turno contra Jair Bolsonaro, zerou as perdas ao longo do dia e acabou a sessão com valorização de 0,83%, aos 78.630 pontos. O dólar fechou em baixa, vendido a R$ 4,08.

Em entrevista exclusiva à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Temer admitiu suspender, provisoriamente ou definitivamente, a intervenção para votar a reforma da Previdência ainda este ano. Conforme a lei, a intervenção impede a votação de emendas constitucionais, como é o caso da tramitação da PEC 287/2016, que altera as regras de aposentadoria e pensão.

“Apesar da abertura dos negócios em clima de apreensão oriundo dos desdobramentos no âmbito eleitoral doméstico, ao longo da sessão o viés negativo foi se dissipando gradativamente”, ressalta uma análise do BB Investimentos. Ajudou também no desempenho a performance de empresas ligadas a commodities. A Vale (VALE3), por exemplo, subiu 3,32%.

“Embora não tenhamos tido um catalisador “chave” para o movimento, pode ter agradado ao mercado as falas do Presidente Michel Temer (na Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque), quem voltou a afirmar que buscará apoio do novo presidente eleito para tentar votar a reforma da previdência ainda em 2018”, analisa a corretora H.Commcor.

Os analistas, contudo, veem o mercado com certo “sangue-frio”, dando o benefício da dúvida ao candidato Jair Bolsonaro mesmo com o petista Fernando Haddad em franca evolução. Essa ideia de retomar a agenda de reformas é muito boa e o mercado aprova. “Tem que manter isso aí, viu?”, já dizia Temer em um tempo não muito distante.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Gustavo Kahil - 25/09/2018 - 19:20