Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Jornalistas deixam entrevista após Bolsonaro achincalhar repórteres com apoiadores

31/03/2020 - 9:51
Jair Bolsonaro
Mas vão abandonar o povo? Nunca vi isso, a imprensa que não gosta do povo, esbraveja Bolsonaro aos repórteres (Imagem: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Os jornalistas que acompanhavam a fala do presidente Jair Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada nesta terça-feira deixaram o local da entrevista após o presidente mais uma vez estimular apoiadores para que hostilizassem e xingassem os repórteres.

Depois de uma pergunta sobre a postura do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que tem dado orientações contrárias às de Bolsonaro durante a crise do coronavírus, um dos apoiadores começou a gritar que a imprensa “colocava o povo contra o presidente”. Bolsonaro reagiu incentivando o apoiador a falar e mandando que os jornalistas ficassem quietos.

“É ele que vai falar, não é vocês não”, disse Bolsonaro.

Com isso, os apoiadores começaram a xingar os jornalistas, que se retiraram do local e ficaram ao fundo. O presidente ficou inicialmente surpreso com a reação dos repórteres, mas logo aproveitou para ironizá-los.

“Mas vão abandonar o povo? Nunca vi isso, a imprensa que não gosta do povo”, gritou Bolsonaro aos repórteres que se mantinham afastados.

Em seguida, enquanto continuava a conversar com caminhoneiros que se reuniram na porta do Alvorada, Bolsonaro continuou falando aos jornalistas.

A pergunta que levou o presidente a estimular a hostilidade de seus apoiadores foi sobre as recomendações feitas por Mandetta em entrevista na segunda-feira no Palácio do Planalto, de se manter o isolamento social.

“Eu não sei o que ele falou. Eu tenho que ver, porque acreditar no que está escrito… ninguém se esqueça que eu sou o presidente. Eu sou o presidente”, disse Bolsonaro.

Nesse momento, um dos apoiadores, que possui um canal no Youtube, começou a gritar com os jornalistas, e Bolsonaro mandou que os repórteres se calassem e o ouvissem.

Esse apoiador, alterado, gritava que a mídia colocava as pessoas contra o presidente e contra seus ministros, e que agora com a internet ninguém mais precisa de jornalistas porque eles agora “se informam uns com os outros.”

OMS

Depois que os repórteres se retiraram do local da entrevista, Bolsonaro continuou falando com os apoiadores. Em sua maioria, caminhoneiros.

Jair Bolsonaro
Bolsonaro continuou falando com os apoiadores (Imagem: Reuters/Ueslei Marcelino)

Repetiu a eles o que virou seu mantra nos últimos dias: a fome pode matar mais que o coronavírus.

“Quem tem menos de 40 anos de idade, a chance de óbito é quase zero. Então não tem porque não deixar esse pessoal trabalhar. Afinal de contas, se o vírus mata em alguns casos, a fome também mata”, defendeu.

Mesmo depois dos jornalistas terem saído do local da entrevista, Bolsonaro continuou falando a eles. Pediu que publicassem que o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, agora concordava com suas posições, o que não é verdade.

Bolsonaro e seus filhos têm distribuído nas redes sociais um vídeo editado de dois minutos da fala de Tedros na segunda-feira, em que o diretor-geral da OMS menciona as preocupações com os impactos sociais do isolamento entre os mais pobres. Na fala completa, Tedros defende o isolamento e diz que ele dá tempo para que os países se preparem para o impacto da epidemia.

Aos apoiadores, Bolsonaro disse ainda que iria convocar uma cadeia nacional de rádio e TV para falar do que o diretor da OMS teria dito e reforçar sua posição. Até o final da manhã desta terça, a rede nacional não havia sido convocada.

(Atualizada às 12h52)

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Bruno Andrade - 31/03/2020 - 12:52