Informação independente faz a diferença

Money Insider: as 7 análises que você deveria ter lido

Este é o Money Insider com as melhores análises publicadas hoje no Money Times:

Goldman/ Petrobras – Analistas do Goldman Sachs reviram para baixo as projeções financeiras da Petrobras nos exercícios de 2018 a 2021, devido à elevação das contribuições ao fundo de pensão da companhia, Petros, para ajudar reduzir o déficit bilionário da entidade.Leia

Santander/ Ser Educacional – O Santander reiterou a recomendação de compra para as ações da Ser Educacional (SEER3) após a empresa anunciar uma oferta de até R$ 400 milhões em novos papéis, mostra um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira (13). Os ativos da empresa terminaram o dia em queda de 3,95%, a R$ 30,64. O preço-alvo do banco para a educacional é de R$ 33. Leia

Credit Suisse/ Vale – O Credit Suisse elevou o preço-alvo para as ações da Vale e manteve a recomendação neutra, enquanto avalia que a mineradora precisa chegar a um nível mais adequado de alavancagem antes de realizar novas aquisições, mostra um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira (13) e assinado por Ivano Westin, Renan Criscio e Rafael Cunha. Leia

Eleven/ Camil – A Eleven Financial recomenda, em um relatório com o sugestivo título "Ferro e Carboidrato para engordar seu portfolio", que os investidores pessoas físicas participem do IPO da Camil (CAML3), que tem o período de reserva aberto ao público até o próximo dia 19 (terça-feira), mostra o documento enviado a clientes e assinado por Raul Grego Lemos e Adeodato Netto. Leia

Citi/ Eztec e Direcional – O Citi elevou as projeções para as ações da Eztec (EZTC3) e da Direcional (DIRR3) ao considerar um custo de capital menor para ambas, mostra um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira (13). A recomendação é de neutra para as duas empresas. Leia

Santander/ Varejo – O Santander avalia que as ações de quatro varejistas poderão se destacar no curto prazo como resultado de um processo de rentabilidade criada pela alavancagem operacional, avalia o banco em um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira (13). Leia

Credit Suisse/ Petrobras - injeção total de R$ 13,7 bilhões que a Petrobras e a BR Distribuidora precisarão fazer no fundo de pensão Petros por 18 anos para cobrir o déficit de até 27,7 bilhões não foi totalmente precificada pelo mercado, avalia o Credit Suisse. Leia


 

Últimas Notícias