Coluna do Kleber Stumpf

2024 será o ano do consultor de investimentos? Entenda

20 dez 2023, 12:00 - atualizado em 20 dez 2023, 12:00
consultor de investimento
Segundo a CVM, são apenas 1.667 consultores de investimento cadastrados e atuando no Brasil. (Imagem: Desola Lanre-Ologun/Unsplash)

A mudança de ano no calendário impulsiona muita gente a procurar novas possibilidades. E para quem não está satisfeito com a carreira e quer mudar de área para atuar no mercado financeiro, você precisa conhecer a profissão do século.

É assim que me refiro ao consultor de investimento desde 2021, quando a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) anunciou novas regras para esta função no Brasil.

Segundo a CVM, que regula a atuação destes profissionais, são apenas 1.667 consultores de investimento cadastrados e atuando no Brasil. Isso já diz muito sobre oportunidades nesta área que cresce em todo o mundo, especialmente nos Estados Unidos. Mas as vantagens não param por aí e, para ficar mais claro, precisamos falar de outras duas opções de atuação disponíveis.

Entenda o que faz um consultor de investimentos

Começando pelos assessores de investimentos, que são mais de 23 mil atuantes no país. O que ele faz? Depois de passar na certificação da Ancord, o assessor deve se vincular com exclusividade a uma corretora de investimento.

Ele será comissionado a partir da venda de produtos dessa corretora. Ou seja, tem como função principal captar clientes constantemente, já que sua remuneração depende disso.

Além disso, se o cliente parar de movimentar os valores aplicados, o comissionamento é suspenso. Portanto, existe um conflito de interesse aqui: exige um tempo maior de dedicação para a captação do que, necessariamente, para uma melhor gestão dos investimentos dos clientes.

No caso dos bancários, a comissão é fixa e, apesar da meta de captar novos investidores para os produtos daquele banco, todo o trabalho de busca por esses clientes é feito pela própria instituição financeira através de seu marketing interno. Inevitavelmente, esse profissional acaba optando por produtos que dão lucro para o banco, como o título de capitalização, por exemplo. E, aqui, mais uma vez, conflito de interesse entre banco e cliente.

Agora, o consultor de investimento é um profissional desvinculado de qualquer instituição financeira. Ou seja, ele poderá aplicar os recursos dos seus clientes nos melhores investimentos de fato, em qualquer banco ou corretora, e terá seus ganhos vinculados ao patrimônio deste cliente. Isso significa que estará livre para se concentrar no estudo das melhores aplicações — com retorno para os dois lados.

Isenção é um ponto-chave desta carreira — o que gera maior confiança também, porque o consultor de investimento ganha pela excelência do serviço e não pela taxa estipulada — que tem variado de 0,5% a 1% do patrimônio gerenciado, fora outras opções como taxa por ganho excedente.

Quem quiser trabalhar como consultor financeiro precisa ter ensino superior completo em qualquer curso certificado pelo Ministério da Educação e possuir alguma certificação — seja CEA, CFP, CNPI ou CGA. Posteriormente, o cadastro na CVM é obrigatório.

De acordo com o Royal Bank of Canada, em um período de 15 anos, investidores que trabalham com um consultor de investimento têm quase quatro vezes mais ganhos em comparação com os investidores que não operam com ajuda desse profissional. Como visto, são vários os motivos para pensar nessa área como um novo norte para 2024. Que tal se somar à profissão do século?

Obrigado a você que acompanhou a coluna ao longo deste 2023. Que o novo ano seja próspero, de muitas realizações e sucesso!

Investidor na bolsa de valores desde os 16 anos e apaixonado pelo mercado financeiro. Atuou como agente de investimentos, consultor financeiro, professor e palestrante. Em 2011, aos 21 anos, fundou a TopInvest, a maior escola de cursos preparatórios para certificações financeiras, que já conta com mais de 500 mil alunos. Hoje, pertencente ao Grupo Primo, é uma das empresas líderes do segmento.
Investidor na bolsa de valores desde os 16 anos e apaixonado pelo mercado financeiro. Atuou como agente de investimentos, consultor financeiro, professor e palestrante. Em 2011, aos 21 anos, fundou a TopInvest, a maior escola de cursos preparatórios para certificações financeiras, que já conta com mais de 500 mil alunos. Hoje, pertencente ao Grupo Primo, é uma das empresas líderes do segmento.