Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Vitreo DTVM

Com ferrovia baiana, eucaliptos vão ganhar com expansão da celulose e com outros setores

13/11/2020 - 16:02
Produção de eucalipto deverá avançar na Bahia ao ritmo de implementação de nova ferrovia de cargas (Imagem: Wikimedia Commons)

O complemento da ferrovia Ilhéus-Barreiras, na Bahia, vai poder entrar em processo licitatório após a autorização dada Tribunal de Contas da União (TCU), e mexe com as expectativas de vários setores do agronegócio e da mineração. Pode-se falar da soja, do algodão e do minério de ferro entre os beneficiários diretos, mas a cadeia da madeira está entre os beneficiários diretos – e indiretos também.

A previsão do Ministério de Infraestrutura é de que a licitação deverá ser aberta no primeiro trimestre de 2021 para o trecho Caetité-Barreiras.

Os 1,5 mil kms da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), dos quais 70% do primeiro trecho já estão quase prontos, entre Ilhéus-Caetité, deverão fomentar todos os setores, com o novo corredor logístico exportador, mas o segmento de florestas plantadas ganha com o ganho dos demais também.

Além do incremento esperado na produção de celulose para várias destinações, a soja e o algodão (concentrados no Oeste baiano) precisarão de mais eucalipto para secagem, bem como na mineração e siderurgia o uso da madeira para energia em seus processos deverá ser mais intensivo do que já o é  (quase 1 tonelada para 1/t de ferro gusa, por exemplo).

Construção civil e pellets também são consumidores tradicionais.

Wilson Andrade, diretor-executivo da Associação Baiana de Florestas Plantadas (Abaf), que fez as avaliações acima, também está otimista com o potencial de geração de emprego e renda ao longo da ferrovia que vai do futuro Porto Sul ao Oeste baiano.

O empresário, que também é presidente do Sindifibras do estado, estima em 800 mil hectares as florestas plantadas atuais, que servem a projetos em celulose especial como da Bracell (com fábrica em Camaçari), Ferbasa (FESA3; minério e siderurgia) e Bramim (mineração), entre outras.

O empreendimento ferroviário vai espalhar mais o interesse para novos plantios para atender o ganho de capacidade que virá, tanto dos projetos já instalados como dos novos que Andrade acredita que virão.

A parte já em andamento do 1º trecho da Fiol, no total de 537 kms, está nas mãos da Valec, de um total orçado em mais de R$ 1,6 bilhão de investimentos. O executivo da Abaf e Sindifibras diz que a VLI Logística (Ferrovia Centro-Atlântica) também tem interesse em disputar os outros trechos com a empresa pública desmembrada da antiga estatal Vale do Rio Doce.

Já o terminal logístico misto na região de Ilhéus será construído pela Bramim, a multinacional cazaquistanesa que opera em Caetité.

O projeto da Fiol é ainda mais ambicioso entre os projetos de infraestrutura em ferrovias de carga no Brasil, ao prever uma terceira etapa rasgando parte do Matopiba fora da Bahia e alcançando o Tocantins.

 

 

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 13/11/2020 - 16:27