Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

A alavancagem está explodindo no mundo das belas-artes

08/02/2020 - 20:00
Arte
Os empréstimos garantidos por obras de arte aumentaram 40% desde 2016, para pelo menos US$ 21 bilhões em todo o mundo (Imagem: Unsplash/@igormiske)

Um Warhol de US$ 28 milhões. Um Basquiat de US$ 35 milhões. Um Twombly de US$ 70 milhões.

O gestor de hedge fund Daniel Sundheim adquiriu todas essas obras de arte – e outras mais – usando uma das ferramentas mais poderosas em finanças: alavancagem.

Houve um tempo que aficionados por arte raramente falavam abertamente sobre fazer empréstimos garantidos por pinturas para fazer coleções, fazer investimentos ou apenas pagar as contas.

Mas Sundheim, de 42 anos, faz parte de uma nova geração de colecionadores que oferecem obras de arte como garantia em troca de linhas de crédito e, no processo, alavancam o mercado de arte, que movimenta US$ 67 bilhões, como nunca antes.

Em poucos anos, Sundheim emergiu como um grande caçador de troféus, ganhando um assento no conselho do Museu de Arte Moderna ao lado da elite de Nova York.

Enquanto montava sua coleção, oferecia como garantia suas melhores obras em troca de uma linha de crédito do JPMorgan Chase, de acordo com registros do Departamento de Estado de Nova York.

Em abril, suas garantias incluíam 29 obras de arte, avaliadas em cerca de US$ 300 milhões, com base nos preços pagos divulgados, de acordo com Beverly Schreiber Jacoby, presidente da BSJ Fine Art, uma empresa de consultoria de Nova York com 30 anos de experiência em financiamentos.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Como corporações e consumidores, muitos colecionadores de arte têm feito empréstimos em ritmo alucinante em meio às taxas de juros ultrabaixas desta era.

Os empréstimos garantidos por obras de arte aumentaram 40% desde 2016, para pelo menos US$ 21 bilhões em todo o mundo, de acordo com o Art & Finance Report 2019, da Deloitte.

Um porta-voz de Sundheim não quis comentar o tamanho da linha de crédito garantida por suas obras de arte ou como ele usa os fundos, mas uma pessoa próxima do investidor disse que as garantias funcionam como uma linha de capital de giro.

Última atualização por Renan Dantas - 05/02/2020 - 17:51