Ainda dá para aproveitar: ‘cerva’ brasileira a US$ 1,38 disputa ranking das mais baratas com africanas

Giovanni Lorenzon
19/05/2022 - 10:03
Cevada, um dos ingredientes que está encarecendo a cerveja com a guerra na Ucrânia (José Augusto/Guarapuava)

Já há notícias de que as cervejas estão subindo de preços no mundo com o conflito na Ucrânia encurtando a oferta de cevada e malte, mas no país que tem na Skol, da Ambev (ABEV3), a marca mais consumida e a quinta no mundo, a bebida é a 10ª mais barata em pesquisa de 196 marcas no globo.

No ranking produzido pela plataforma CupomValido, a partir de dados da Numbeo (bancos de dados global com vários indicadores de preços) e da Statista (empresa de pesquisa alemã), em dólar o preço médio da cerveja brasileira é de US$ 1,38.

Entre as nove primeiras mais em conta, só países sem referência mundial no setor, prevalecendo africanos e asiáticos. Nas américas, somente a Colômbia tem a 8ª bebida mais barata.

Enquanto o Brasil segue em terceiro lugar no consumo mundial, com 7% da demanda, como já é de conhecimento, China e Estados Unidos nas primeiras posições, com as marcas Snow e Tsingtao, do primeiro país, e Bud Light e Budweiser, do segundo, entre as mais compradas de todas.

As 10 mais caras são encabeçadas por marcas dos Emirados Árabes e de Omã, o que se justifica porque na realidade muçulmana o álcool é proibido para os locais e só é vendido para turistas, em ambientes estritamente controlados.

Surpresa e a Noruega, em 3º lugar entre as cervejas mais salgados, cuja média de preços é de US$ 10,31 a garrafa – ou a lata, não está clara a informação.

Vale destacar que no Brasil, a Brahma e a Antarctica, as outras marcas mais tradicionais de Ambev, seguem na preferência do consumidor depois da Skol. Schin e Itaipava fecham o 4º e 5º lugares, sempre com a garrafa de 500 ml liderando a preferência.

 

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 19/05/2022 - 10:08

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto