Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Amendoim chega à UE praticamente livre de fungo, mas padrão no Brasil deixa a desejar

20/04/2021 - 16:10
Bruxelas passou a aceitar a verificação por amostragem dos contêineres, depois de anos fazendo 100% de inspeção por conta do alto grau de aflotoxina, fungo altamente prejudicial à saúde (Imagem/Radu Marcus)

O Brasil melhorou a sanidade do amendoim exportado e ganhou novo status da União Europeia (UE), mas não é garantia de que o consumido internamente siga o mesmo padrão adotado nos lotes embarcados.

Bruxelas passou a aceitar a verificação por amostragem dos contêineres, depois de anos fazendo 100% de inspeção por conta do alto grau de aflotoxina, fungo altamente prejudicial à saúde. A medida, anunciada na segunda (19), deverá atrair mais compradores do continente, com o aval sobre a qualidade do produto nacional.

Os amendoins embarcados, como todos da Cooperativa Agroindustrial (Coplana) – maior fornecedor brasileiro à Europa, segundo o presidente Bruno Rangel – voltaram aos níveis permitidos, os mais rígidos do mundo. Mas, no Brasil, os níveis aceitos de partículas por bilhão (PPB) chegam a 20, contra o total de 4 na UE.

Agora, o amendoim comprado dos ambulantes nos faróis ou naqueles saquinhos comparados para acompanhar a cerveja, o PPB pode bater em 100%.

Espera-se que a legalização das apostas esportivas seja muito significativa aos impostos

E para um produto também largamente consumido como insumo industrial, numa base produtiva pulverizada em milhares de pequenos estabelecimentos, imagina-se o grau de dificuldade da inspeção federal de qualidade.

A decisão das autoridades da UE foi comemorada pela Coplana, sediada em Jaboticabal, mas com abrangência numa larga faixa do Norte paulista. Nesta safra, que começou um pouco tardiamente, em março, e vai até o final de abril, são esperados 3,1 milhões de sacas de 25 kgs, base-casca.

É o maior polo produtor do Brasil, enquanto o de Tupã, igualmente em São Paulo, vem atrás.

Renovação da cana

Rangel calcula em 60% exportado, já sem casca e pele (blancheado), beneficiado na própria cooperativa.

Os números são melhores que da safra passada. E dependem, de certa forma, do sucesso da cultura da cana-de-açúcar. O amendoim, de ciclo curto, entra na renovação dos canaviais, quando os produtores retiram as raízes para novos plantios, mais produtivos que a cana velha depois do sexto o sétimo corte.

Quanto maior a área de renovação – o que acontece em períodos positivos para a sucroenergia, devido aos custos -, mais amendoim é plantado. Assim, a Coplana está recebendo o amendoim de mais de 21 mil hectares, em cerca de 100 produtores, e cada vez mais perseguindo os padrões mais baixos de PPB, afirma o presidente.

Acima de 20 PPB, a legislação do Brasil exige que o amendoim vá para a fabricação de óleo.

Tem a concorrência da soja entrando forte em São Paulo, igualmente competindo pela mesma área de cana, mas Bruno Rangel ainda vê o arrendamento de terras para plantio de amendoim pagando mais do que para soja.

“O pequeno produtor de cana é o grande produtor de amendoim”, diz. Ele se refere ao fato de que os mesmos canavieiros arrendam terras para plantio do grão.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Renan Dantas - 20/04/2021 - 19:57

Pela Web