Radar do mercado

Americanas (AMER3): A reação de analistas ao rombo de R$ 20 bilhões

12 jan 2023, 8:41 - atualizado em 12 jan 2023, 8:44
americanas
Para o Bradesco BBI, o anúncio levanta preocupações importantes sobre a credibilidade da empresa. (Divulgação)

A Americanas (AMER3) é o grande destaque corporativo desta quinta-feira (12) após a empresa informar que encontrou uma inconsistência contábil de cerca de R$ 20 bilhões em análise preliminar.

A expectativa é de que a ação da companhia registre uma expressiva queda enquanto o mercado busca entender os detalhes que levaram ao rombo na empresa.

O CEO Sergio Rial, cuja chegada ajudou a impulsionar as ações, informou a saída do cargo. André Covre, diretor de relações com investidores, também deve deixar o posto.

A varejista se pronuncia em call fechada para investidores e organizada pelo BTG Pactual nesta quinta-feira, às 9h.

Para o Bradesco BBI, o anúncio levanta preocupações importantes sobre a credibilidade da empresa e, eventualmente, sobre sua capacidade financeira.

“Esperamos uma grande reação negativa para a ação no pregão de amanhã (quinta-feira). Diante da magnitude do evento e da falta de informações, estamos colocando o papel em análise por enquanto”, disse em relatório assinado por Pedro Pinto e equipe.

Americanas tem inconsistência ‘sem precedentes’

A equipe do Bradesco BBI classificou como uma “inconsistência contábil considerável e sem precedentes” e considerou a notícia “bastante negativa”.

“Nós –e o mercado– ainda carecemos de detalhes para medir efetivamente como, e por quanto tempo, o balanço e o ‘P&L’ (linha final do balanço) podem ter sido deturpados/impactados. O impacto potencial nos resultados futuros também não está claro”, afirmaram em relatório enviado a clientes pouco antes da meia-noite.

Eles ressaltaram que a primeira razão para tal visão se deve à magnitude “anormal”, uma vez que R$ 20 bilhões equivalem a 2 vezes o valor de mercado, 1,3 vez o valor contábil ou 0,6 vez as vendas brutas em 12 meses, “o que sugere que a empresa acumulou muitos erros ou muitos anos de más práticas contábeis”.

“Desnecessário dizer que isso deve gerar um grande sentimento negativo, dado o golpe na credibilidade/governança”, acrescentaram. Os analistas do banco recentemente cortaram a recomendação das ações para “neutra”.

Os analistas do Citi chamaram a atenção ainda para a divulgação da companhia de que os acionistas de referência da Americanas, presentes no quadro acionário há mais de 40 anos, informaram ao conselho de administração que pretendem continuar suportando a empresa.

Para João Pedro Soares e Felipe Reboredo, que assinam o relatório do banco, é muito cedo para dizer se isso realmente se traduz em financiamento –por exemplo, apoiando um aumento de capital.

“Nesta fase, não podemos avaliar o tamanho do passivo real da empresa… Claramente, este ainda é o começo de uma longa e complexa história”, acrescentaram.

Sobe e desce das ações

A ação da Americanas, formada em 2021 com a união das lojas físicas do grupo com a operação online que estava sob a antiga B2W, teve em 2022 queda de 68,7%, em linha com a desvalorização das ações de empresas de tecnologia, diante de desaceleração das vendas, inflação e juros altos.

No terceiro trimestre, a Americanas teve prejuízo de mais de R$ 200 milhões. Em 2023, até a véspera, os papéis acumulavam valorização de 24,35%. 

*Com informações da Reuters

Editor
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com MBA em finanças pela Estácio. Colaborou com revista Veja, Estadão, entre outros.
Linkedin
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com MBA em finanças pela Estácio. Colaborou com revista Veja, Estadão, entre outros.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.