Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Após forte polêmica, Eduardo Bolsonaro pede desculpas e diz que não há possibilidade de retorno do AI-5

31/10/2019 - 19:27
Eduardo Bolsonaro
Em entrevista veiculada na manhã desta quinta-feira no canal de Youtube da jornalista Leda Nagle, Eduardo Bolsonaro disse que vai chegar um momento em que a situação do Brasil vai ser igual a do final dos anos 1960 (Imagem: REUTERS/Adriano Machado)

O líder do PSL na Câmara, deputado Eduardo Bolsonaro (SP), pediu desculpas e disse que não há “qualquer possibilidade de retorno do AI-5”, em um vídeo veiculado em sua rede social horas depois de ter ido ao ar uma entrevista dele na qual aventou a possibilidade de o governo do seu pai, Jair Bolsonaro, lançar mão desse instrumento da ditadura militar, caso a esquerda radicalize em sua atuação no país, fala essa que gerou forte reação pública ao longo desta quinta-feira.

Veja o vídeo:

“Primeiro de tudo, não existe qualquer possibilidade de retorno do AI-5 e a minha posição é bem confortável. Eu não fico nenhum pouco constrangido de pedir desculpa a qualquer tipo de pessoa que tenha se sentido ofendida ou imaginado o retorno do AI-5. Esse não é o ponto que nós vivemos hoje, no contexto atual do Brasil”, disse ele, em vídeo no seu Facebook.

“A gente vive um regime democrático, nós seguimos a Constituição. Inclusive esse é o cenário que me fez ser o deputado mais votado da história. Então não tem por que de eu descambar para o autoritarismo, eu tenho a meu favor a democracia”, acrescentou.

“Agora é óbvio que a oposição vai tentar pegar esteira na minha fala para tentar me pintar como ditador. Pode ter sido até uma resposta infeliz, se pudesse refazê-la faria sem citar o AI-5 para não dar essa polêmica toda”, completou ele, ao ressalvar que parlamentares têm garantido pela Constituição direito a imunidade de opiniões, palavras e votos.

Em entrevista veiculada na manhã desta quinta-feira no canal de Youtube da jornalista Leda Nagle, Eduardo Bolsonaro disse que vai chegar um momento em que a situação do Brasil vai ser igual a do final dos anos 1960, quando ocorreram sequestros de aeronaves e execuções de grandes autoridades, como embaixadores, policiais e militares.

Veja a entrevista completa:

“Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. Uma resposta ela pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através do plebiscito, como ocorreu na Itália, alguma resposta vai ter que ser dada porque é uma guerra assimétrica, não é uma guerra onde você está vendo o seu oponente do outro lado e você tem que aniquilá-lo, como acontece nas guerras militares. É um inimigo interno de difícil identificação aqui dentro do país, espero que não chegue a esse ponto, né, mas a gente tem que estar atento”, vaticinou.

O AI-5, o mais duro dos atos institucionais editados pela ditadura em 1968, resultou no fechamento do Congresso Nacional, cassou mandatos parlamentares e suspendeu garantias constitucionais, criando condições para que a repressão estatal aumentasse contra os cidadãos que discordavam do regime —inclusive com assassinatos ainda sem solução— naquele período.

A fala de Eduardo gerou muitas manifestações de repúdio de entidades da sociedade civil, dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, de lideranças partidárias de todo o espectro político, inclusive do seu próprio partido, o PSL, e também no Supremo Tribunal Federal.

Em declarações públicas, o próprio presidente Jair Bolsonaro lamentou a fala do filho e chegou a dizer em uma delas que “está sonhando” quem tenha falado sobre AI-5.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Renan Dantas - 31/10/2019 - 19:28