O que está por trás da suspensão das plantas de aves brasileiras pela Arábia Saudita?

07/05/2021 - 12:24
Criação de aves em Lapa (PR)
Avícolas brasileiras com plantas suspensas pelos sauditas são pressionadas a investirem no país (Imagem: REUTERS/Rodolfo Buhrer)

A decisão da Arábia Saudita de desabilitar 11 plantas frigoríficas brasileiras exportadoras de aves é vista como pressão para atrair investimentos estrangeiros, tanto quanto a medida só atingiu os grandes grupos, segundo importante fonte do setor.

Nada tem de relacionado a questões sanitárias ou de conformidades, ainda que isso possa ser utilizado oficialmente como argumento, explica ele acrescentando que a Ucrânia também teve frigoríficos suspensos.

As unidades pertencem à Seara, da JBS (JBSS3) e ao Grupo Vibra, que confirmaram a suspensão.

Há uma dúvida levantada pela fonte do setor quanto a duas unidades da BRF (BRFS), de Francisco Beltrão e Dois Vizinhos, que em lista saudita, atualizada nesta manhã de sexta (7), figuram como “suspensas temporariamente”. Mas em nota ao Money Times, a companhia diz que ambas já estavam nessa categoria desde 2020.

O interlocutor, que pede reserva do seu nome,  lembra, ainda, que a Agroaraça Alimentos, do Rio Grande do Sul, e que também teve suspensão anunciada, estaria abatendo para o grupo dono das marcas Sadia e Perdigão. Indagada sobre isso, a BRF não se pronunciou.

A visão do mercado, ainda de acordo com o empresário ouvido, é que apenas os três grupos têm capacidade de investir no Oriente Médio.

BRF e Seara/JBS são players globais dominantes, enquanto o grupo Vibra, gaúcho, tem na sua composição acionária a gigante americana Tyson Foods, desde o começo de 2020.

“Ao visar esses grupos, os sauditas querem forçar investimentos deles [os exportadores] em seu território, para diminuir a dependência de importações, uma política que o país está ensaiando há tempos e todos no Brasil já deveriam saber”, diz.

A JBS tem forte presença internacional com frigoríficos em todas as proteínas animal. A BRF já tem fábrica nos Emirados Árabes e, em 2020, anunciou compra de processadora na Arábia Saudita, “mas os árabes querem ampliação da capacidade”.

E o grupo Vibra, com unidades em Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná, está aumentando sua participação nas exportações, depois que a Tyson entrou com 40% no seu controle.

 

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 07/05/2021 - 12:46

Pela Web