Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

As 5 principais notícias do mercado internacional desta quarta-feira

04/12/2019 - 10:27
Presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca
Pequim Cada vez mais incomodada com Trump (Imagem: Reuters/Yuri Gripas)

Por Investing.com

Autoridades de comércio dos EUA tentam amenizar os comentários do presidente Donald Trump, mas Pequim está irredutível e está cada vez mais incomodada com o que entende ser uma intromissão diplomática dos EUA em assuntos internos.

Os fundadores do Google se afastam da administração da empresa-mãe, a Alphabet (GOOGL). O Índice de gerentes de compras não-industrial (PMI) do ISM pode desfazer parte dos danos causados ​​pela pesquisa da indústria de segunda-feira, e é provável que o Banco do Canadá não se junte à corrida ao fundo das taxas de juros – por enquanto, pelo menos por enquanto.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quarta-feira, 4 de dezembro.

1. O impasse nas negociações sino-americanas fica cada vez mais estressante

Um dia depois que o presidente Donald Trump fez as bolsas entrarem em parafuso e imobilizarem os ativos, declarando que não poderia haver acordo comercial com a China até a eleição do próximo ano, começou o esforço de contenção de danos, com o The Wall Street Journal e a Bloomberg citando “fontes familiarizadas com o assunto” que existe a probabilidade de um acordo antes de 15 de dezembro.

Donald Trump
Com declarações de Donald Trump sobre não firmar acordo com a China  até as eleições do ano  que vem, as bolsas dos EUA entraram meio colapso (Imagem: Reuters/Christian Hartmann)

Mas aqueles que acreditam que as ações falam mais alto do que palavras (não atribuídas) apontaram para o fato de que a Câmara dos Deputados ter aprovado na terça-feira outro projeto de lei que eleva a fiscalização do registro nacional de direitos humanos da China, o Uighur Act de 2019.

Como em um projeto semelhante em Hong Kong , a Lei Uighur incorpora uma questão política que não pode ser abordada no processo de negociações comerciais.

Pequim reagiu com raiva ao projeto de lei e o Ministério das Relações Exteriores da China chegou ao ponto de subestimar a história da Bloomberg, insistindo que a “igualdade” deve estar no centro de um acordo de ‘fase 1’ – sua maneira de dizer que deseja que todas as tarifas impostas desde 2018 sejam rescindidas. Isso contradiz diretamente os comentários de Trump na terça-feira de que a fase 1 “não pode ser um acordo igual”.

2. Alphabet vira uma página

Os fundadores do Google, Sergey Brin e Larry Page, anunciaram que estão deixando as funções de CEO na Alphabet (GOOGL), empresa-mãe do Google, entregando controle total ao atual CEO Sundar Pichai. Eles ainda estarão no quadro da Alphabet e terão controle efetivo sobre as decisões da empresa, sob a estrutura de compartilhamento de duas camadas da holding.

Os fundadores do Google, Sergey Brin e Larry Page, anunciaram que estão deixando as funções de CEO na Alphabet (Imagem: Pixabay)

A mudança ocorre quando os negócios do Google (GOOGL) enfrentam uma inspeção rigorosa cada vez mais intensa, não apenas pelo poder de mercado e possíveis abusos, mas também pela cultura corporativa difundida pela empresa.

Em um e-mail de despedida, os dois disseram que continuariam em contato regular com Pichai.

As ações da empresa subiam 24% até agora este ano e se mantiveram estáveis nas negociações após o pregão da terça-feira.

3. Ações programadas para uma leve alta

As bolsas de valores dos EUA estão a caminho de recuperar um pouco menos da metade de suas perdas de terça-feira quando abrirem logo mais, à medida que as garantias da mídia ocidental têm mais ressonância do que os tons de raiva que saem de Pequim.

Mercados Wall Street
As bolsas de valores dos EUA estão a caminho de recuperar um pouco menos da metade de suas perdas de terça-feira (Imagem: REUTERS/Brendan McDermid)

Às 10h20 (horário de Brasília), os Futuros da Dow subiam 125 pontos ou 0,51%, enquanto o S&P 500 subia 0,33% e os Futuros Nasdaq 100 subiam 0,52%.

As empresas de software Salesforce e Workday superaram as expectativas em seus relatórios de ganhos após o fechamento da terça-feira, mas isso não impediu a queda nas negociações fora do horário comercial.

A Peloton (PTON) também estará sob os holofotes após uma reação negativa a um anúncio percebido como sexista, que reduziu as ações em mais de 9% na terça-feira. Ainda está em cerca de um terço desde a listagem em setembro.

4. Pesquisa de serviços ISM, relatório de folhas de pagamento da ADP são esperados

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Após uma pesquisa da indústria mais fraca do que o esperado no início da semana, o Institute of Supply Management libera seu índice de gerente de compras não-industrial às 12h00, quinze minutos após a IHS Markit lançar seu PMI de serviços.

As pesquisas da IHS Markit no resto do mundo não tiveram direção definida durante a noite, com o PMI chinês subindo fortemente, enquanto o PMI da zona do euro superou modestamente as expectativas, mas apenas o suficiente para manter a leitura do PMI composto estável em 50,6.

Antes dos PMIs, também haverá a atualização mensal da ADP sobre folhas de pagamento do setor privado às 10h15, onde se espera um ganho de 140.000 empregos em novembro, ante 125.000 em outubro.

Enquanto isso, o Banco do Canadá deverá manter as taxas de juros inalteradas em sua reunião de política monetária.

5. Petróleo se recupera nos estoques da APIs, conversas sobre o Iraque na Opep

As cotações do petróleo subiam um pouco mais do que as ações na quarta-feira, em novos relatos de que o Iraque, o país com o pior registro de conformidade com o acordo de restrição de produção da OPEP+, está sinalizando que espera pressão da Arábia Saudita por cortes de fornecimento mais rigorosos nas reuniões em Viena nos próximos dois dias.

Opep
As cotações do petróleo subiam um pouco mais do que as ações na quarta-feira, em novos relatos de que o Iraque (Imagem:Reuters/Leonhard Foeger)

Os contratos futuros de Petróleo bruto dos EUA subiam 1,6% em relação ao final da terça-feira, a US$ 56,97 por barril, às 8h15, enquanto o índice de referência internacional Brent subia 1,7%, a US$ 61,88.

Às 12h30, os EUA divulgam seus dados oficiais de estoques da semana passada. O relatório de terça-feira sobre o suprimento de petróleo dos EUA do Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês) sugeriu uma queda mais acentuada do que o esperado.

Última atualização por Rafael Borges - 04/12/2019 - 10:27