Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

As 5 principais notícias do mercado internacional desta quinta-feira

16/01/2020 - 10:12
Guerra Comerial
As solicitações iniciais de seguro-desemprego e a pesquisa de negócios da Philly Fed devem mostrar a real situação da economia, após a tão esperada assinatura do acordo comercial EUA-China (Imagem: REUTERS/Kevin Lamarque)

Os dados de vendas no varejo de dezembro mostrarão se a decepcionante atualização da Target foi apenas um caso isolado ou algo mais sério.

As solicitações iniciais de seguro-desemprego e a pesquisa de negócios da Philly Fed também mostrarão a real situação da economia, após a tão esperada assinatura do acordo comercial EUAChina.

A Alemanha está levando a sério a substituição do carvão. O Morgan Stanley (MS), o CSX e o Kinder Morgan (KMI) devem apresentar lucros, enquanto as ações da Alcoa estão definidas para uma abertura em baixa após registrar uma perda no quarto trimestre.

Enquanto isso, há decisões sobre taxas de juros na Turquia e na África do Sul, enquanto o rublo russo enfraqueceu depois que Vladimir Putin anunciou seu novo primeiro-ministro.

1. Enxurrada de dados dos EUA para reorientar a economia

Com a fase 1 do acordo comercial finalmente assinado entre a China e os EUA, é hora de mudar o foco de volta para a economia, e há uma grande quantidade de apresentação de dados econômicos a partir das 10h30 da manhã (horário de Brasília).

O mais importante provavelmente será o lançamento do relatório de vendas no varejo de dezembro, em foco após a decepcionante atualização de vendas da Target na quarta-feira. Analistas consultados pelo Investing.com esperam um aumento mensal de 0,3%

Donald Trump, e vice-premiê chinês, Liu He
Com a fase 1 do acordo comercial finalmente assinado entre a China e os EUA, é hora de mudar o foco de volta para a economia (Imagem: REUTERS/Kevin Lamarque)

Há também a pesquisa regional de negócios do Fed da Filadélfia e solicitações semanais de seguro-desemprego.

Às 12h, será publicado o índice do mercado imobiliário da Associação Nacional de Construtores de Casas (NAHB, na sigla em inglês) para janeiro (espera-se uma pequena queda de 76 para 74), enquanto Michelle Bowman, do Federal Reserve, também deverá palestrar ao mesmo tempo.

2. Moedas de mercados emergentes em foco; Rússia se reorganiza politicamente e a Turquia corta juros

Espera-se que os bancos centrais em dois dos mercados emergentes mais importantes do mundo mostrem que a margem para novos cortes nas taxas de juros pode estar diminuindo, depois de um ano em que os bancos centrais do mundo quase sem exceção tenham adotado uma postura mais frouxa na política monetária.

O banco central da Turquia cortou sua taxa de recompra de uma semana em outros 75 pontos base, mais do que o esperado, para 11,25%. Isso agora está abaixo da taxa de inflação. A lira manteve-se estável.

O Banco da Reserva da África do Sul deve anunciar sua decisão de taxa às 10h e espera-se que mantenha sua taxa-chave em 6,50% pela terceira reunião consecutiva, contra um cenário de preocupações sustentadas sobre o orçamento do país e o custo do resgate empresa de energia Eskom.

Enquanto isso, na Rússia, o rublo diminuiu para o menor nível em uma semana, à medida que o mercado absorveu as implicações da nomeação do principal coletor de impostos do país como primeiro-ministro.

Dmitry Medvedev e seus assessores renunciaram em massa na terça-feira depois que o presidente Vladimir Putin levantou a perspectiva de uma reforma constitucional que, segundo os analistas, visava mantê-lo no poder quando seu mandato atual como presidente terminar em 2024.

3. Ações devem abrir em alta e atingir novas máximas

As bolsas de valores dos EUA devem abrir em alta após os futuros dos principais índices atingirem novos recordes da noite para o dia, embora a assinatura do contrato com a China da fase 1 tenha acrescentado pouco em notícias ao que já era conhecido.

Às 10h08 (horário de Brasília), os contratos futuros da Dow subiam 0,24%, enquanto os contratos futuros do S&P 500 avançavam 0,29% e o contrato Nasdaq 100 teve um desempenho ligeiramente superior de 0,8%, ajudado por um forte relatório de lucros da noite para o dia da Taiwan Semiconductor.

As bolsas de valores dos EUA devem abrir em alta nesta quinta-feira (Imagem: Pixabay)

A lista de reporte de lucros do dia é liderada pelo Morgan Stanley (MS), enquanto CSX e Kinder Morgan (KMI) fornecerão insights sobre o estado da economia real mais tarde.

4. Ações da Alcoa caem após perda no quarto trimestre

A Alcoa – que já foi considerada a empresa-chave da economia dos EUA – declarou que perdeu dinheiro no quarto trimestre após uma queda de 27% nas vendas, mais uma evidência dos estragos da guerra comercial com a China.

A Alcoa  já foi considerada a empresa-chave da economia dos EUA (Imagem: Reprodução/Redes Sociais Alcoa Brasil)

A empresa, que fabrica produtos para as indústrias automobilística, de bebidas e aeroespacial, entre muitos outros, disse esperar que a demanda global por alumínio se recupere entre 1,4% e 2,4% neste ano, depois de cair no ano passado sob a influência da guerra comercial.

Suas ações caíram 3,4% nas negociações após o expediente.

5. Alemanha acelera a substituição de carvão

A Alemanha anunciou um avanço em seus planos para acabar com o uso de carvão na geração de eletricidade até 2035, cerca de três anos antes do esperado.

Merkel concordou com um pacote de ajuda de 40 bilhões de euros com regiões que provavelmente serão as mais afetadas pela reestruturação e também deverá concordar com 2,6 bilhões em compensação pela RWE, o maior fornecedor do país.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A medida reflete a crescente pressão sobre a chanceler Angela Merkel sobre política climática. O fracasso em acabar com a dependência do carvão comprometeu a chance da Alemanha de cumprir seus compromissos sob o Acordo de Paris, enfraquecendo tanto a autoridade quanto a da Europa na liderança do debate global sobre as mudanças climáticas.

As notícias darão à UE uma mão mais livre para avançar com os planos de um “imposto sobre as pegadas do carbono” – uma espécie de tarifa de importação para fabricantes de economias mais poluentes, como a China

Última atualização por Rafael Borges - 16/01/2020 - 10:45