Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

As 5 principais notícias do mercado internacional desta sexta-feira

08/03/2019 - 8:39

Por Investing.com

Confira as cinco principais notícias desta sexta-feira, 8 de março, sobre os mercados financeiros:

1 – Outro relatório sólido de empregos dos EUA é esperado, foco em salários

Todos os olhos estarão no relatório de emprego dos EUA para fevereiro que será lançado às 10h30, e deverá mostrar outro mês sólido de crescimento, apesar de uma desaceleração no crescimento da folha de pagamento.

Acompanhe o Money Times no Instagram!

Os economistas prevêem que a economia tenha adicionado 181 mil empregos no mês passado, reduzindo a taxa de desemprego um pouco para 3,9%.

Salvo uma grande queda ou perda nas folhas de pagamento, o foco do mercado deve ser o crescimento salarial, que deve ter esquentado em fevereiro. A inflação salarial até agora tem ficado defasada em relação às expectativas, dado o estreito mercado de trabalho americano, permitindo que o Federal Reserve seja paciente com o aperto da política.

Espera-se que os ganhos médios por hora aumentem 0,3% para o mês, elevando o ganho anual para 3,3%. Os formuladores de políticas estão observando atentamente a leitura anual para medir a pressão ascendente sobre a inflação.

Lançados ao mesmo tempo, os investidores vão prestar muita atenção aos dados que medem a fragilidade observada no mercado imobiliário.

Os economistas esperam que os imóveis novos tenham saltado 9,9% em janeiro. Mas as licenças de construção, um indicador da demanda futura, devem ter caído 2,9%.

2 – China contribui para a pessimismo econômico global

A China apresentou mais sinais de fraqueza econômica durante a noite com seus dados do comércio para fevereiro. As exportações tiveram sua maior queda em mais três anos, enquanto a segunda maior economia do mundo e a maior nação comercial também registrou queda na importação pelo terceiro mês consecutivo.

Os dados somaram-se às preocupações sobre a perspectiva econômica global depois que a China já havia cortado sua previsão de crescimento de 2019 para um intervalo de 6% a 6,5% no início da semana, comparado com 6,6% em 2018.

Além disso, a OCDE reduziu suas perspectivas de crescimento global para 3,3% com base precisamente nas preocupações com a China, juntamente com a fraqueza econômica observada na Europa.

A desaceleração européia forçou o Banco Central Europeu a adotar uma postura mais moderada na quinta-feira, adiando sua projeção de aumento da taxa de juros desde o final deste verão até o final do ano, quando anunciou o lançamento de novos financiamentos de baixo custo para os bancos.

3 –  Ações caem à medida que os dados da China aumentam os temores globais de desaceleração

Os dados comerciais chineses aumentaram as preocupações com a desaceleração global, fazendo com que as ações caíssem nesta sexta-feira. As ações asiáticas caíram com o Shanghai Composite da China liderando a queda com 4,4%, enquanto o Nikkei do Japão fechou em baixa de 2%.

As ações européias acompanharam o mal-estar geral com uma queda surpresa nas encomendas às fábricas alemãs reforçando o sentimento lamentável, o que fez com que os índices caíssem.

O mercado futuro dos EUA apontava para uma abertura em baixa, com os investidores aguardando as últimas leituras do mercado de trabalho americano. Às 7h39 o blue chip futuros do Dow caía 97 pontos, ou 0,38%, os futuros do S&P 500recuavam 11 pontos, ou 0,40%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100tinha queda de 37 pontos, ou 0,53%.

4 –  Euro tenta recuperação depois de alcançar mínima de 21 meses

O euro registrou um leve salto em relação ao dólar na sexta-feira, recuperando-se da mínima de 21 meses um dia antes, quando o Banco Central Europeu cortou suas previsões de crescimento, retraiu sua projeção de aumento de taxa e anunciou planos para oferecer mais estímulo.

Às 7h40, o par EUR/USD ganhava 0,20% ficando em US$ 1,1213. A moeda havia atingido uma mínima de US$ 1,1171 durante a noite, seu menor valor em relação ao dólar em quase dois anos.

A previsão do BCE validou os temores de mercado de uma desaceleração econômica global que foi ainda reforçada pelos dados chineses da noite, e suas medidas, embora destinadas a acalmar os nervos, só serviram para chamar a atenção para a falta de progresso na região ao abordar suas falhas institucionais e estruturais.

Dados europeus em direções diferentes divulgados na sexta-feira permitiram que a moeda única fizesse uma pausa. Um declínio inesperado nas encomendas para as fábricas alemãs pareceu ser compensado por dados de produção industrial melhores do que o esperado das outras três maiores economias da zona do euro, FrançaItáliaand Espanha.

Apenas para investidores: melhores small caps reveladas

5 – Petróleo cai enquanto fraqueza econômica aumenta temores de demanda menor

Os preços brutos caíram na sexta-feira, já que os dados negativos da China alimentaram preocupações com o impacto negativo na demanda do maior importador de petróleo do mundo.

Os contratos futuros de petróleo dos EUA caíram 94 centavos, ou 1,66%, para US$ 55,72 por 7h40, enquanto o petróleo Brent teve queda de US$ 1,22, ou 1,84%, para US$ 65,08.

Junto com a sequência de sinais negativos para a economia global, os investidores estão assistindo à crescente produção nos EUA que permanece alcançando recordes.

A Baker Hughes lançará seus dados semanais da contagem de sondas, um indicador antecipado da produção futura, às 15h00.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Leia mais sobre: Internacional, Mercados, Wall Street

Última atualização por Bruno Andrade - 08/03/2019 - 8:39