Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

As 5 principais notícias do mercado internacional desta sexta-feira

13/03/2020 - 9:07
Mercados Wall Street NYSE
Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na sexta-feira, 13 de março (Imagem: REUTERS/Andrew Kelly)

Apesar de o presidente Donald Trump ter anunciado algumas medidas fiscais para pequenas e médias empresas e famílias na quarta-feira (11) à noite, continua a espera de um pacote coordenado bipartidário de medidas políticas de alto impacto nos EUA para compensar o impacto do surto de coronavírus.

A presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, disse a repórteres que um acordo estava “próximo”.

A Europa adotou mais medidas de emergência à medida que o vírus continuava a se espalhar, enquanto os dados precisos dos EUA permanecem subestimados devido a atrasos na ampliação nos testes e à falta de dados abrangentes sobre os resultados.

O mercado de títulos do Tesouro se estabilizou após o anúncio do Federal Reserve de uma injeção de liquidez de US$ 1,5 trilhão. Outros bancos centrais de todo o mundo aderiram à festa, levando os mercados de ações globais a experimentar uma pequena recuperação após seu pior dia em mais de 30 anos na quinta-feira (12).

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na sexta-feira, 13 de março.

1. Resposta do coronavírus dos EUA “próxima” diz Pelosi; Trump despeja no CDC

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse que um acordo de medidas políticas para lidar com o impacto econômico do coronavírus com o governo do republicano Donald Trump está próximo.

O presidente Trump recuou contra as propostas dos democratas na quarta e quinta-feira porque, segundo ele, elas continham muitos “presentes” de uma “lista de desejos ideológicos” que tinham pouco a ver com a crise em questão.

Na sexta-feira, Trump culpou o Centro de Controle e Prevenção de Doenças pelas falhas no regime de testes dos EUA, dizendo no Twitter: “A resposta deles à gripe suína H1N1 foi um desastre em grande escala, com milhares de mortos e nada significativo feito para corrigir o problema dos testes, até agora.”

Os críticos apontaram que o governo Trump demitiu a equipe de resposta a pandemias dos EUA em 2018 para reduzir custos.

2. Vírus se espalha na Europa; ainda difícil de rastrear nos EUA

A Europa adotou mais medidas de emergência, com a França se tornando o último país a anunciar o fechamento de todas as escolas em todo o país. O estado alemão da Baviera fez o mesmo, mas a resposta da Alemanha permanece fragmentada, devido ao fato de que os governos estaduais, e não o governo federal, têm poder sobre muitas decisões.

Enquanto isso, o número de novos casos na China caiu em um dígito.

A propagação real do vírus nos EUA ainda permanece frustrantemente difícil de rastrear, devido a deficiências nos procedimentos de teste e diagnóstico em todo o país.

Uma importante autoridade de saúde de Ohio estimou na quinta-feira que mais de 100.000 pessoas no estado têm coronavírus, número que ressalta os testes limitados até o momento.

“Nosso atraso em poder testar atrasou nossa compreensão da disseminação disso”, disse Amy Acton, diretora do Departamento de Saúde de Ohio, em entrevista coletiva.

Os dados da Johns Hopkins estimam o número de casos confirmados de coronavírus em 1.663, com 40 mortes confirmadas até o momento.

3. Ações devem se recuperar de tombos na abertura

Os mercados de ações dos EUA devem abrir acentuadamente em alta, na esperança de que as medidas monetárias e fiscais combinadas nos EUA coloquem um piso no mercado.

Às 08h40 (horário de Brasília), o contrato futuro do Dow 30 subia 1.110 pontos, ou 5,27%, enquanto o contrato futuro do S&P 500 tinha alta de 5,11% e o contrato Nasdaq 100 saltava 5,67%.

Embora os indicadores econômicos desta semana tenham passado despercebidos, o índice Michigan Consumer Sentiment, previsto para as 11h, pode ser um dos primeiros indicadores a mostrar o impacto crescente do vírus na economia.

4. Mercado de Treasuries responde à injeção do Fed

O mercado de títulos públicos dos EUA descongelou um pouco depois que o Federal Reserve adotou medidas para restaurar a liquidez no maior e mais profundo mercado de capitais do mundo, o que fornece um ponto de referência essencial para o preço do crédito sem risco.

O Fed anunciou na quinta-feira operações de mercado aberto para comprar US$ 1,5 trilhão em papéis do governo de curto prazo.

Ele também disse que, a partir de sexta-feira, começará a redistribuir US$ 60 bilhões em compras planejadas de contas em todo o resto da curva de rendimento do governo – uma medida que analistas disseram ter aberto o caminho para a retomada do flexibilização quantitativa total (quantitative easing em inglês), possivelmente na próxima reunião de política monetária do Fed na próxima semana.

Às 8h40 (horário de Brasília), o rendimento do título de três meses estava estável a 0,323% após atingir máxima de 0,506%, enquanto o rendimento do Tesouro em 2 anos subiu 4 pontos base em 0,528%. O rendimento em 10 anos aumentou 9 ponto base em 0,941%.

5. Os bancos centrais globais continuam bombeando dinheiro

Os bancos centrais de todo o mundo continuaram a atuar para apoiar seus respectivos sistemas financeiros.

O Banco Popular da China disse que reduzirá a taxa compulsória de reserva para bancos selecionados, uma medida que liberará cerca de 550 bilhões de yuans (US$ 79 bilhões) em financiamento, enquanto o Reserve Bank of Australia injetou 8,8 bilhões de dólares australianos em liquidez no mercado de recompra.

O banco central da Noruega cortou sua taxa básica de juros em 50 pontos base, em meio a outras medidas, enquanto o Riksbank sueco disse que estenderia até 500 bilhões de coroas suecas (US$ 51 bilhões) em novos empréstimos aos bancos do país.

Os mercados de ações globais responderam com uma recuperação que gradualmente ganhou força. O mercado de ações da Austrália subiu 4,4% após um declínio de 7,7% na quinta-feira.

As medidas de PBoC chegaram tarde demais para afetar o CSI 300 chinês, que caiu 1,0%. Os mercados de ações da Europa saltaram entre 3% e 9% – embora nenhum tenha recuperado todo o terreno perdido na quinta-feira. Espanha e Itália proibiram a venda a descoberto em ações selecionadas.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 13/03/2020 - 9:07