Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Vitreo DTVM

As 5 principais notícias do mercado internacional desta terça-feira

10/03/2020 - 9:48
Europa mercados DAX
Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na terça-feira, 10 de março (Imagem: REUTERS/Kai Pfaffenbach)

Os mercados globais estão saltando de maneira inteligente depois que o presidente Donald Trump prometeu – mas não detalhou – medidas para apoiar a economia em queda causada pelo surto de coronavírus.

Enquanto isso, a Itália estendeu suas medidas de quarentena por todo o país.

O rublo russo caiu 5%, atingindo uma mínima de quatro anos, enquanto a guerra de preços do petróleo com a Arábia Saudita está em pleno andamento.

E há mais seis primárias democratas no meio-oeste e na costa oeste dos EUA.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na terça-feira, 10 de março.

1. Trump reage ao coronavírus 

O presidente Donald Trump disse que o governo dos EUA está preparando medidas para apoiar a economia e isolá-la contra um surto de coronavírus em expansão.

Trump, que continua a minimizar o surto ao que ele mesmo inicialmente denominou de “fraude democrata”, prometeu um pacote “muito importante” de medidas de alívio, mas deu poucos detalhes, além de mencionar um possível corte nos impostos sobre as folhas de pagamento e outras ajudas não especificadas para cada hora de trabalho.

Enquanto isso, seu novo chefe de gabinete, Mark Meadows, foi forçado a se auto-isolar após entrar em contato com alguém diagnóstico com o vírus.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse que as medidas serão direcionadas aos mais atingidos pelo surto, incluindo pequenas e médias empresas. Ele minimizou os paralelos com a crise financeira de 2008 e disse que a economia “estará em muito boa forma daqui a um ano”.

Os comentários ocorreram quando o número de casos confirmados nos EUA superou os 600, em meio a temores de que a reação do governo com um certo desdém ao surto possa ter permitido que a doença se espalhasse mais amplamente.

2. Mercados saltam acentuadamente após o pior dia desde a crise de 2008

Os mercados de ações globais subiram e os preços do petróleo foram corrigidos para cima após o banho de sangue de segunda-feira. Ativos portos-seguro, como ouro e títulos do governo, recuaram.

Às 9h40 (horário de Brasília), o contrato futuro do Dow 30 subiu 705 pontos ou 2,89%, enquanto o contrato futuro do S&P 500 tinha perdas de 7,60% e o contrato Nasdaq 100 caia 6,82%. Todos os três índices sofreram a pior perda em um dia em 12 anos, queda de mais de 7%, com receios de que o surto de coronavírus pudesse desencadear uma recessão global.

Durante a madrugada, o Shanghai Shenzhen CSI 300 subiu 2,1% e o Hang Seng de Hong Kong subiu 1,4%, enquanto o índice Nikkei do Japão teve desempenho inferior, subindo 0,9% em meio à força sustentada no iene.

Os mercados europeus saltaram entre 3% e 5%, com o Stoxx 600 de referência subindo 3,16%.

Nos mercados de títulos, o rendimento do Tesouro dos EUA em 10 anos se recuperou para 0,699%, com a máxima do dia em 0,741%, apenas alguns pontos base abaixo do que estava na noite de quinta-feira, enquanto o rendimento do Bund de 10 anos da Alemanha recuperou cinco pontos base para -0,754%.

Os contratos futuros de ouro recuaram cerca de 0,81% a US$ 1.662,35.

3. Itália promulga quarentena em todo o país

O governo italiano emitiu uma ordem de quarentena, restringindo a circulação de pessoas em todo o país, em um esforço para controlar a disseminação da epidemia de coronavírus.

A Itália registrou quase 1.800 novos casos do vírus na segunda-feira, elevando o número total de casos para mais de 9.100, com 463 mortes.

O governo também estendeu o fechamento de todas as escolas até abril. A Espanha também ordenou o fechamento de escolas em todo o país.

O mercado de ações da Itália, que caiu mais na Europa na segunda-feira, também teve uma das mais fracas recuperações da terça-feira, subindo apenas 1,43%.

O rendimento da dívida italiana de 10 anos chegou a subir para uma nova máxima para 2020, de 1,47%, antes de reverter acentuadamente para 1,30%.

4. Biden busca consolidar liderança em mais seis primárias

As primárias do Partido Democrata continuam na terça-feira, com o ex-vice-presidente Joe Biden tentando consolidar sua liderança sobre o rival progressista Bernie Sanders.

Após sua vitória pelos estados do sul nas primárias da Super Terça-feira na semana passada, Biden lidera os delegados nacionais com 664, contra 573 de Sanders. O total necessário para a vitória é de 1.991 e há 352 em disputa hoje.

Sanders poderia diminuir a diferença se ele vencesse particularmente em Michigan, um estado que ele ganhou de Hillary Clinton nas primárias de 2016. Os outros cinco estados que votam hoje são Idaho, Mississippi, Missouri, Dakota do Norte e Washington.

5. O petróleo se recupera, mas os mercados russos despencam enquanto Putin embarca na guerra de preços do petróleo

Os preços do petróleo subiram 10% após sofrerem a pior perda de um dia em quase 30 anos na segunda-feira, em resposta ao início de uma nova guerra de preços entre a Arábia Saudita, a Rússia e os produtores de xisto dos EUA.

rublo da Rússia caiu 5% em relação ao dólar, atingindo seu nível mais baixo desde 2016 na terça-feira, com a reabertura dos mercados financeiros locais após um feriado. O índice RTS de referência caiu até 15% antes de reduzir as perdas, diminuindo apenas 10,9%.

A liderança da Rússia tem sido desafiadora, dizendo que seu fundo soberano de riqueza e seu planejamento orçamentário conservador significam que ela pode suportar até 10 anos de preços nos níveis atuais.

O equilíbrio orçamentário da Rússia é sob o preço do petróleo acima de US$ 40 por barril, enquanto a Arábia Saudita exige um preço muito mais alto. O orçamento saudita já esperava um déficit de 6,4% do PIB este ano.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 10/03/2020 - 9:50