Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Azul continua refém da pandemia, mas tem caixa confortável para superar adversidades

05/03/2021 - 17:17
Ibovespa, azul
A Ágora Investimentos, o BTG Pactual e o Safra adotaram opiniões diferentes em relação aos resultados do quarto trimestre de 2020 da Azul (Imagem: REUTERS/Rahel Patrasso)

Analistas da Ágora Investimentos, do BTG Pactual (BPAC11) e do Safra tiveram opiniões diferentes sobre os resultados da Azul (AZUL4). Enquanto para alguns os números do quarto trimestre do ano passado vieram, em linhas gerais, acima das expectativas, outros classificaram o relatório como negativo.

Os resultados superaram as estimativas do BTG, mas só porque o banco esperava que a companhia aérea mostrasse um desempenho fraco no período.

A Azul reportou lucro líquido de R$ 543,4 milhões nos últimos três meses de 2020, com o resultado impactado positivamente por R$ 1,4 bilhão em ganhos cambiais. Na base ajustada, a empresa teve prejuízo de R$ 918,2 milhões (contra lucro de R$ 411,2 milhões no quarto trimestre de 2019).

A receita líquida atingiu R$ 1,8 bilhão, queda de 45% em relação a um ano antes. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) despencou de R$ 1,2 bilhão para R$ 192,9 milhões, enquanto a margem Ebitda caiu 27 pontos percentuais, encerrando em 10,8%.

Segundo o BTG, o que vale destacar dos resultados é a melhora sequencial na liquidez da companhia.

“A Azul encerrou o trimestre com R$ 4 bilhões em caixa (ante R$ 1,7 bilhão no último trimestre devido ao capital levantado por meio da emissão de debêntures conversíveis no quarto trimestre). O caixa representou 70% da receita dos últimos 12 meses (contra 32% no último trimestre). Considerando os depósitos, as reservas de manutenção e outros ativos disponíveis, a liquidez total da Azul atingiu R$ 7,9 bilhões (versus R$ 6,9 bilhões no último trimestre), a maior desde que foi fundada há doze anos”, comentaram Lucas Marquiori, Fernanda Recchia e Ricardo Cavalieri, da equipe de análise do banco.

De acordo com a Ágora, a Azul está com posição de caixa confortável para superar a pandemia de Covid-19. Apesar do aumento de casos da doença no mundo prejudicar a recuperação do setor de viagens aéreas, a corretora acredita que a liquidez, somada ao refinanciamento da dívida de curto prazo e ao diferimento de pagamentos de arrendamento de aeronaves, permitirá que a empresa sobreviva às adversidades do momento.

Azul
De acordo com a Ágora Investimentos, a Azul está com posição de caixa confortável para superar a pandemia de Covid-19 (Imagem: REUTERS/Sergio Moraes)

Impressão negativa

A visão do Safra sobre o desempenho da Azul se difere das demais. Nos últimos três meses de 2020, a companhia mostrou recuperação das suas operações em comparação ao trimestre anterior, mas ainda mostrou forte impacto da pandemia.

O maior destaque positivo do balanço foi a performance da Azul Cargo, que se beneficiou do aumento expressivo das vendas no e-commerce. Ainda assim, os analistas preferiram seguir com a cautela.

“Mantemos nossa visão cautelosa sobre o nome, principalmente considerando o cenário altamente negativo e imprevisível para a indústria aérea”, disse o analista Luiz Peçanha.

Apesar de reconhecer os esforços da companhia para minimizar os impactos da Covid no curto prazo, o Safra acredita que as perdas devem continuar se acumulando nos próximos trimestres. Os custos postergados devem manter pressão sobre as margens, o que afeta diretamente a recuperação financeira da empresa.

O Safra colocou a recomendação e o preço-alvo para a ação da Azul sob revisão até ter mais visibilidade sobre o cenário de demanda da companhia.

A Ágora manteve recomendação neutra e preço-alvo estimado para 2021 de R$ 40 pela relação risco-retorno pouco atraente e pelo potencial de valorização limitado.

O BTG, que adotou uma perspectiva mais otimista em relação à recuperação da Azul nos próximos trimestres, manteve a indicação de compra, com preço-alvo por ação de R$ 47.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Diana Cheng - 05/03/2021 - 17:17