Banco Mundial

Chefe do Banco Mundial eleva previsão de crescimento global para 2023, de olho em dívida

10 abr 2023, 10:43 - atualizado em 10 abr 2023, 11:17
David Malpass
Malpass disse à imprensa que a revisão para cima se deveu a uma perspectiva melhor para a recuperação da China dos bloqueios contra a Covid-19, com o crescimento agora estimado em 5,1% para este ano (Imagem: Reuters/Florence Lo)

O presidente do Banco Mundial, David Malpass, disse nesta segunda-feira que a instituição revisou ligeiramente sua perspectiva de crescimento global em 2023 para 2%, conta previsão de janeiro de 1,7%.

Ele alertou, no entanto, que a desaceleração do crescimento mais forte em 2022 aumentará o endividamento dos países em desenvolvimento.

Malpass disse à imprensa que a revisão para cima se deveu a uma perspectiva melhor para a recuperação da China dos bloqueios contra a Covid-19, com o crescimento agora estimado em 5,1% para este ano, contra 4,3% em janeiro.

  • Entre para o Telegram do Money Times! Acesse as notícias que enriquecem seu dia em tempo real, do mercado econômico e de investimentos aos temas relevantes do Brasil e do mundo. Clique aqui e faça parte!

As economias avançadas, incluindo os Estados Unidos, também estão se saindo um pouco melhor do que o Banco Mundial previu em janeiro.

Mas o chefe do Banco Mundial alertou que a turbulência no setor bancário e os preços mais altos do petróleo podem pressionar novamente para baixo as perspectivas de crescimento ainda este ano. Uma incompatibilidade de vencimento de ativos bancários levará algum tempo para ser resolvida e os bancos provavelmente retirarão o crédito.

Malpass disse que as reuniões técnicas esta semana com as autoridades chinesas podem ajudar a “quebrar o gelo” sobre o movimento potencial para o tão necessário alívio da dívida dos países pobres.

Ele afirmou que a China também será capaz de marcar alguns pontos políticos a um custo bastante baixo para suas instituições de crédito.

“Do ponto de vista de suas instituições, não é uma quantia tão grande”, disse Malpass. “É benéfico para a China fazer esse movimento” tanto do ponto de vista econômico quanto político.

(Atualizada às 11:17)