Biofábricas validam etanol do sisal, na rota do “recaatingamento” da devastada Caatinga

Giovanni Lorenzon
27/04/2022 - 16:04
O sisal, ou agave, tem imenso potencial produtivo no campo e para bioenergia (Pixabay)

O Dia Nacional da Caatinga, amanhã, vai chegar carregando a marca de 405% de aumento de desmatamento, o maior entre os biomas, e a perda de mais de R$ 10 bilhões em geração de riqueza com alimento e energia, ampliando a pauperização econômico-social. Mas traz também alguns fios de esperança com etanol.

Em paralelo à rede científica Ecolume, que atua com projetos de “recaatingamento” (replantio de vegetação nativa) e na estruturação de consórcios produtivos, baseado nos dados de desflorestamento do MapBiomas, do Observatório do Clima, o aproveitamento do sisal em bioenergia já está em teste em duas biofábricas.

Fábio Raya, pesquisador do Laboratório de Genômica e bioEnergia (LGE), da Unicamp, já roda as pesquisas e os testes há um bom tempo, numa fase que além dos experimentos que consolidam a produtividade do agave, também se leva a campo, no semiárido, novas espécies mexicanas, de onde se origina essa planta.

Os nomes das duas biofábricas paulistas ainda não podem ser divulgados, diz Raya. E os cultivares, inclusive um de porte gigante, gera muito mais biomassa para a extração do caldo.

Com base nas plantas remanescentes, sem escala comercial produtiva, os dados pesquisados mostram 5,5 mil litros por hectare ao ano de álcoois.

“Poderia representar 25% do crescimento da demanda por etanol pelos próximos 50 anos”, pontua, associando os trabalhos ao modelo produtivo australiano, onde a produção é avançada.

De todo modo, mesmo que não haja um senso estatístico dessa planta no nesse bioma, e ainda que ela não seja originária do Brasil, sua abrangência e adaptação a deixaram com a cara da Caatinga – esta, sim, 100% nacional e sem proteção legal como a Amazônia e a Mata Atlântica.

Mais relevante ainda, conta o pesquisador da equipe de Gonçalo Pereira, entusiasta da exploração comercial de todas as potencialidades em bioeconomia, é que o incentivo à industrialização em correspondência à produção devolverá multiplicado a perda de relevância que o sisal passou a ter.

Antes, se fazia cordas e outras peças, além de artesanato, mas ficaram no passado.

O nylon tirou o pequeno sustento que milhares de famílias possuíam no alto sertão.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 27/04/2022 - 16:14

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto