Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Bolsa vs exchanges: mito derrubado

01/02/2019 - 16:47
No auge do rally do Bitcoin em 2017, circulou a informação, que servia a título de comparação para mostrar a pujança do mercado de criptomoedas de que havia mais CPF’s cadastrados nas exchanges que na Bolsa de Valores. Foi algo que chamou mesmo a atenção de muitos semanários econômicos no Brasil. Mas eis que a B3, controladora da Bovespa, divulgou seu crescimento nos últimos anos: Percebam algo que faz toda a diferença que explica um pouco da depressão do mercado de cripto no Brasil. Em 2018, durante todo o ano, o Bitcoin andou de lado e terminou o ano, abaixo dos US$ 6300 no qual operou por quase todo ano. Fechamos o ano com o Bitcoin valendo a metade disso, em média. Enquanto isso a B3 teve um crescimento de 31,2% com a entrada de novos investidores. De onde eles vieram? Certamente boa parte deles do mercado de criptomoedas. Se ampliarmos essa comparação com a Magazine Luíza, a vedete da Bolsa nos últimos anos com o Bitcoin, o cenário favorável à ações só aumenta. Quem com comprou Bitcoin em maio de 2016 à US$450(R$1588) e não o gastou, tem US$3447(R$12.995,00)de acordo com a última cotação da Bitcointrade. Por sua vez, quem comprou 1 ação da Magazine Luiza em 2016 por R$12, hoje tem a mesma ação valendo R$176,50. Mas se levarmos em consideração que o lote mínimo de compra são 1 mil ações: R$12 mil em ações compradas em 2016. Hoje esse mesmo lote vale: R$ 176.500
Invista em Bitcoin na melhor corretora do Brasil: Bitcointrade Siga-nos no Telegram   no Instagram  no Twitter
Conheçam o portal Cryptowatch

Última atualização por Leandro França de Mello - 01/02/2019 - 16:48

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto