Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Bolsonaro fará reunião para acertar saída de ministros e lançamentos do governo antes das eleições

14/03/2022 - 18:32
De acordo com essa fonte, que é próxima ao presidente, não há uma definição sobre o vice ainda, mas o nome do ministro da Defesa é o mais forte no momento (Imagem: Isac Nóbrega/PR)

A menos de três semanas do fim do prazo para que ministros deixem os cargos para concorrer nas eleições, o presidente Jair Bolsonaro reunirá na quinta-feira sua equipe para definir substituições e também um calendário de programas a serem lançados que possam ajudar a impulsionar sua candidatura à reeleição e também as campanhas de seus aliados, disseram fontes com conhecimento do assunto.

De início, o presidente dizia que pelo menos 12 ministros sairiam para ser candidatos, mas esse número diminuiu.

Hoje, Bolsonaro tem dito que oito deixarão o governo. Esse número pode chegar a nove se o ministro da Defesa, Walter Braga Neto, for o candidato a vice-presidente em sua chapa, o que, de acordo com uma das fontes, é uma grande possibilidade.

De acordo com essa fonte, que é próxima ao presidente, não há uma definição sobre o vice ainda, mas o nome do ministro da Defesa é o mais forte no momento.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, também cotada, já teria declarado sua intenção de concorrer ao Senado pelo Mato Grosso do Sul.

Ao mesmo tempo, Bolsonaro resiste a um nome político que não seja de sua absoluta confiança, segundo essa a fonte.

“É uma questão de segurança. O presidente não quer colocar alguém que seja do interesse da classe política tirá-lo e colocar essa pessoa”, disse a fonte.

De todo o grupo que pretendia disputar as eleições deste ano, três ministros Marcelo Queiroga (Saúde), Anderson Torres (Justiça) e Fábio Faria (Comunicações) desistiram de suas pretensões eleitorais.

No xadrez das candidaturas, Bolsonaro tenta colocar aliados em Estados-chave em candidaturas ao Senado ou ao governo do Estado que possam lhe dar palanque no pleito deste ano.

Jair Bolsonaro
De início, o presidente dizia que pelo menos 12 ministros sairiam para ser candidatos, mas esse número diminuiu (Imagem: Shutterstock/Marcelo Chello)

Os ministros do Trabalho, Onyx Lorenzoni, e da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, já têm suas candidaturas acertadas aos governos do Rio Grande do Sul e São Paulo, ambos pelo PL.

João Roma, ministro da Cidadania, quer ser candidato ao governo da Bahia, mas enfrenta problemas com seu partido, o Republicanos, mais inclinado em manter a aliança com ACM Neto (DEM).

Senado

Já para o Senado, hoje uma das maiores preocupações de Bolsonaro, o presidente tem garantidas as candidaturas de Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, no Rio Grande do Norte; Tereza Cristina, da Agricultura, no Mato Grosso do Sul; Flávia Arruda, da Secretaria de Governo, no Distrito Federal; e Gilson Machado, do Turismo, em Pernambuco.

Damares Alves, do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, ainda não anunciou seu destino, mas, de acordo a fonte ouvida pela Reuters, será candidata ao Senado pelo Amapá para concorrer contra Davi Alcolumbre (União Brasil)  a quem Bolsonaro quer ver derrotado.

Depois de convencer Tarcísio de Freitas a encarar a candidatura ao governo de São Paulo, Bolsonaro desistiu de colocar o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles na disputa pela vaga de senador. Salles, um dos mais fieis interlocutores de Bolsonaro até hoje, será candidato a deputado, enquanto a vaga ao Senado será colocada na mesa em busca de alianças eleitorais.

Jair Bolsonaro
O presidente nunca teve apoio firme no Senado e, em meio à pandemia de Covid-19, passou a ter ainda mais dificuldades (Imagem: Facebook/Jair Bolsonaro)

Com um terço do Senado em jogo, Bolsonaro tem manifestado a preocupação há vários meses de tentar garantir os nomes mais fiéis possíveis na Casa para ampliar sua base.

O presidente nunca teve apoio firme no Senado e, em meio à pandemia de Covid-19, passou a ter ainda mais dificuldades.

Bolsonaro culpa a Casa por não ter conseguido levar adiante projetos do governo e também pelo desgaste com a CPI da Covid, que o apontou como um dos principais responsáveis pelos números estratosféricos de vítimas da doença no país.

Conseguir um Senado mais favorável em uma eventual reeleição passou a ser uma de suas principais metas este ano.

Na briga pelo Senado, Bolsonaro teria mais um nome aliado, o vice-presidente Hamilton Mourão, que se filiou ao Republicanos e conta com apoio do presidente para ser candidato no Rio Grande do Sul.

No entanto, de acordo com a fonte ouvida pela Reuters, não há entusiasmo de Bolsonaro pela candidatura de seu vice, com quem viveu em conflito por boa parte do governo.

Na reunião ministerial de quinta-feira, a pauta será a substituição dos ministros-candidatos, que têm até o dia 2 de abril para deixar o governo, e medidas que poderão ser anunciadas antes do período eleitoral para ajudar a melhorar as chances eleitorais dos ministros e do próprio Bolsonaro.

De acordo com fontes ouvidas pela Reuters, uma dessas medidas já será anunciada na mesma quinta-feira: um grande pacote que pretende injetar 165 bilhões de reais na economia, vindo do Ministério do Trabalho sob a forma do Programa de Renda e Oportunidade (PRO).

Outra medida será a antecipação do pagamento do 13º de pensionistas do INSS, que deve acontecer entre abril e junho, em vez de julho e dezembro, e chega a 55 bilhões.

Além disso o governo pretende criar um programa de microcrédito simplificado e ampliar o limite de endividamento para permitir que mais pessoas peguem empréstimos consignados.

Fontes ouvidas pela Reuters explicaram que a reunião servirá para levantar programas que já estão maduros e acertar os eventos que devem ser feitos até o início de abril.

Última atualização por André Luiz - 14/03/2022 - 18:32

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto