Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Bolsonaro: Um Produto Petista

21/09/2018 - 9:54
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Por Álvaro Frasson, economista

É de se assustar. Se alguém ousasse falar dessa possibilidade há um ano, daria gargalhadas. Não é possível que o povo brasileiro não aprenda com seus próprios erros ou, como diz Eduardo Bueno, “povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la”. Pois bem, o clichê é mais que atual: define o recente quadro sucessório da Presidência da República.

Não tínhamos notícia de um provável segundo turno tão desastroso para o Brasil desde 1989, quando Lula, nada paz e amor, e Brizola, um órfão getulista, rivalizavam a disputa com o filho do assassino Arnon de Mello. Após os incidentes da época, o Brasil caminhou para uma tentativa socialdemocrata; não obstante, um período próspero para o país, não fosse um pequeno e desapercebido detalhe, mas que provocou constantes rachaduras na sociedade brasileira: o caudilhismo de Luís Ignácio Lula da Silva.

De origem espanhola, porém ungida em terras latino-americanas no século XIX, o caudilho nada mais é que um líder carismático e autoritário, perpetuando-se através de programas populistas, garantindo-o adesão entre seus seguidores. No Brasil, Getúlio Vargas foi a primeira experiência nestes termos: governou ininterruptamente por 15 anos (30-45), se “retirou” em São Borja até 1950, quando retornou aos braços do povo sob o título de “o pai dos pobres”. Se de um lado fez a CLT, iniciou a industrialização e deu voto às mulheres, doutro; perseguia partidos, matava opositores e refundava a república em um centralismo ideológico típico dos caudilhos.

Lula, por sua vez, teve sorte em perder as eleições de 1989 até 1998, dando-lhe a possibilidade de governar o Brasil no período mais próspero do que os antecessores receberam: inflação estabilizada, contas públicas entrando em ordem e, principalmente, os bons ventos chineses da demanda por commodities. Peessedebistas invejavam. Dos seus méritos, a ampliação dos programas sociais como o Bolsa Família (impensável para as contas públicas dos últimos 20 anos) deram a Lula a figura do “pai dos pobres” do século XXI.

Aproveitando a boa maré, Lula iniciou um discurso de reedição da memória nacional, assim como Getúlio fez nos anos 30. Vociferando o bordão “nunca antes na história deste país”, Lula não apenas negava todo o árduo trabalho de Itamar e FHC em ressuscitar um governo moribundo, mas desejava exclusivamente para si o sucesso temporário da economia brasileira. Lula incitava a cada discurso o culto à sua personalidade, sabedor que esta era uma ferramenta de empatia e, portanto, apego popular para novos pleitos eleitorais. Contrário a sua narrativa e de seus seguidores, Lula nunca unificou o Brasil; pelo contrário: mesmo presidente, sempre adotou um discurso de palanque sindical em tom provocativo “às elites”, ainda que não passasse de uma peça teatral.

Lula é apenas uma faceta moderna de Getúlio Vargas.

Passou o tempo, a corrupção emergiu, a sucessora meteu os pés pelas mãos e todo o trabalho petista foi jogado pelo ralo: 13 milhões de desempregados e a maior recessão da história brasileira. Autocrítica nunca foi o forte do PT – aliás, uma das principais características caudilhistas.

A narrativa de beatificação de Lula em meio a um processo de corrupção é, portanto, o oxigênio do sentimento antipetista. Como já disse Ciro Gomes, o PT finge que sofre um golpe, já que se submete às decisões desse mesmo regime. Se o PT realmente acreditasse que o impeachment da Dilma fosse o primeiro passo de uma confabulação entre congresso nacional e STF para prender Lula, seu grupo teria fugido do país.

Logo, o PT usa desta narrativa para, além de retornar ao poder após 14 anos nele, transformar o eterno caudilho em mártir. Alguém ainda tem dúvidas da origem da raiva antipetista?

Há um ano, quando Bolsonaro ainda era uma piada da política brasileira, a derrocada do petismo dava sinais de uma eleição plural e imprevisível para 2018. Ainda que Joesley tenha colocado a pá de cal no fraco governo Temer, seus aliados temiam seu futuro eleitoral pela enorme rejeição do vice: melhor não andar próximo. Foi a brecha para o retorno, e para uma antítese.

O ano vira, Lula é preso e o que o PT fará nas eleições presidenciais?

A insistência é irmã da perseverança, mas a postura do partido em 2018 é de um autoritarismo que remonta a postura dos governos militares. A negação das leis foi um ato covarde, que apenas jogou querosene em um país já inflamado desde as últimas eleições. O PT brinca com o futuro da sociedade da mesma forma que Lula brincou e quis reinventar a história do Brasil.

As rachaduras por Lula e o PT, portanto, abriram o caminho para a raiva e o ódio, exemplificado no ato fratricida de Adélio.

No entanto, o brasileiro é um eterno refém do seu sentimentalismo. Crê, na figura de Bolsonaro, que a antítese é o remédio de cura imediata para nossos problemas, quando resulta na mesma saída caudilhista de outros tempos. A personificação não é solução, mas sim a mesma dose dos problemas que nos trouxeram até aqui. Aliás, a personificação do líder é o oposto de uma democracia saudável. Neste aspecto, tanto Bolsonaro quanto PT (lê-se Lula) representam a continuidade do erro. Só há vida em Bolsonaro como candidato à presidência, pois ainda há vida no caudilhismo de Lula, ou lulismo.

Bolsonaro deve sua vida ao PT. O Brasil, não.

Aos que ainda pensam que o primeiro turno de 2018 é uma inevitável escolha entre PT ou Bolsonaro, sinto dizer que, infelizmente, são órfãos do caudilhismo de Getúlio Vargas. Eu, não.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: Economia, Opinião, Spinelli

Última atualização por Gustavo Kahil - 21/09/2018 - 10:04