Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Boris Johnson precisa salvar sistema de saúde para salvar carreira

09/01/2021 - 14:00
Boris Johnson
O primeiro-ministro colocou a Inglaterra pela terceira vez em lockdown na segunda-feira, quando os casos de coronavírus levam hospitais ao ponto de colapso (Imagem: Heathcliff O’Malley/Pool via Reuters)

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, fundado há 72 anos, é quase uma religião em contraste com a classe política britânica, amplamente laica.

E Boris Johnson tem mais a perder do que a maioria dos primeiros-ministros se permitir que a reverenciada instituição nacional entre em colapso sob seu comando.

O primeiro-ministro colocou a Inglaterra pela terceira vez em lockdown na segunda-feira, quando os casos de coronavírus levam hospitais ao ponto de colapso e o número de mortos ultrapassa 75 mil. Se não agisse, advertiram as principais autoridades médicas, o Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês) ficaria sobrecarregado nas próximas três semanas.

Além de ser uma catástrofe para a saúde, tal resultado seria politicamente tóxico para o líder que fez a polêmica promessa ao NHS durante a campanha do Brexit em 2016 que definiu sua carreira. Johnson disse aos eleitores que o Reino Unido poderia economizar 350 milhões de libras (US$ 475 milhões) todas as semanas em taxas de adesão à União Europeia, caso saísse do bloco e fosse livre para gastá-los em saúde.

O Reino Unido finalmente deixou o mercado único da UE em 31 de dezembro, mas longe de supervisionar um aumento dos cofres britânicos, o primeiro-ministro enfrenta a perspectiva de conduzir a economia em uma dupla recessão potencialmente devastadora. Com empresas de varejo e hotelaria fechadas novamente, o número de desempregados deve aumentar muito nos próximos meses.

Doloroso

Essas são trocas dolorosas que o governo de Johnson tem que enfrentar. Para o primeiro-ministro, o risco é que seu histórico seja falhar em salvar a economia e proteger empregos dos eleitores ou falhar em proteger o NHS e salvar vidas – ou possivelmente ambos.

Na época de sua promessa pró-Brexit para o NHS, Johnson foi acusado de prometer demais sobre os futuros benefícios. Acusações semelhantes foram levantadas contra ele repetidamente desde que decretou um lockdown pela primeira vez em março.

Naquela época, ele disse que o país “mudaria a maré” da pandemia em 12 semanas. O lockdown interrompeu a propagação do vírus, mas então o governo incentivou as pessoas a irem a restaurantes durante o verão, contribuindo para o ressurgimento da doença no outono. Outro lockdown foi anunciado em novembro.

Em meados de dezembro, Johnson prometeu que as restrições seriam suspensas a tempo de as famílias se reunirem por cinco dias durante as festas de Natal. O primeiro-ministro disse que seria “desumano” cancelar as festividades – mas alguns dias depois, outro aumento dos casos o levou a suspender o plano.

Agora, o primeiro-ministro deposita suas esperanças em outra grande promessa. Desta vez, ele pretende distribuir vacinas a um ritmo de 2 milhões por semana – durante o lockdown nacional – para atingir um total de quase 14 milhões de pessoas em meados de fevereiro.

Isso significaria que todas as pessoas mais vulneráveis, juntamente com médicos e cuidadores, teriam recebido alguma proteção contra a doença, permitindo ao governo começar a suspender as restrições, disse Johnson.

Os ministros dizem que a meta de Johnson pode ser alcançada. Mas as pessoas que executarão a tarefa já estão trabalhando para uma organização que está no limite: o NHS.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Renan Dantas - 05/01/2021 - 19:31