Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Brent avança para máxima de 2 anos com interrupção de oleoduto no Mar do Norte

11/12/2017 - 19:32

Investing.com – O Brent fechou em forte alta depois a interrupção de operação de um dos principais oleodutos do Mar do Norte para reparos, enquanto sinais de aumento da produção norte-americana limitaram os ganhos.

Em Nova York, o contrato do WTI para entrega em janeiro avançou 1,1% para fechar a sessão a US$ 57,99 o barril, enquanto o Brent, em Londres, avançou 2,1% para encerrar o pregão a US$ 64,72 o barril, tocando na máxima desde junho de 2015.

O spread entre o Brent e o WTI alcançou o maior valor desde outubro com o aumento de preço do benchmarking europeu após a interrupção de operação do oleoduto Forties, que transporta 40% do petróleo do Mar do Norte. A paralisação indica um corte de oferta da commodity, pressionando a cotação.

A parada do Forties vem apenas quatro dias após ‘pequeno’ vazamento provocar a redução de capacidade de escoamento do duto.

Nos EUA, os ganhos do WTI ficaram limitados pela percepção do mercado de que a produção do país segue em trajetória ascendente.

O número de sondas em operação nos EUA, indicativo de maior produção futura, avançou pela terceira semana consecutiva, segundo dados da Baker Hughes publicados sexta-feira.

Mais cedo, o ministro de Energia do Emirados Árabes Unidos, Suhail bin Mohammed a-Mazroui, provocou pessimismo no mercado após dizer que a Opep e grandes exportadores anunciarão em junho a estratégia para encerrar o pacto de redução de oferta global.

“Nós anunciaremos (…) uma estratégia ne reunião de junho. Isso não significa que encerraremos em junho. Significa que teremos uma estratégia”, disse Mazroui em Abu Dhabi.

No mês passado, o cartel e grandes exportadores como a Rússia renovaram até o fim de 2018 o corte de 1,8 milhão de barris/dia de oferta global, em vigor desde o início do ano.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Leia mais sobre: Commodities, Petróleo

Última atualização por Gustavo Kahil - 11/12/2017 - 19:32