Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Brookfield tem aval do Cade para compra de projetos de energia solar no Brasil

28/01/2020 - 9:30
Setor Elétrico Energia Solar
A aquisição marca mais um movimento dos canadenses da Brookfield para expandir a presença no setor elétrico do Brasil (Imagem: Unsplash/@draufsicht)

O grupo canadense Brookfield fechou a aquisição de um conjunto de projetos de energia solar no Nordeste, em movimento que marca o primeiro investimento da companhia nessa fonte de geração no Brasil.

O negócio envolveu nove parques pré-operacionais que pertenciam ao grupo de engenharia e construção Steelcons e serão instalados em Limoeiro do Norte, no Ceará, com um total de 278 megawatts em capacidade, segundo nota da empresa à Reuters nesta terça-feira.

“Esta é a estreia da empresa no setor fotovoltaico, que passa a fazer parte da estratégia de negócios da companhia no Brasil”, afirmou a Brookfield Energia Renovável.

O grupo canadense já possui significativa atuação no setor elétrico do Brasil, com ativos que vão desde hidrelétricas e parques eólicos até linhas de transmissão de eletricidade.

A companhia não informou o valor da transação pelos projetos solares, que recebeu aval sem restrições do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Os ativos envolvidos no negócio fazem parte do complexo Alex, que teve a produção futura negociada em contratos de longo prazo pela Steelcons em um leilão realizado pelo governo federal em abril de 2018.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Por contrato, os empreendimentos precisam começar a produzir energia em janeiro de 2022.

A Brookfield disse que a construção dos parques “será iniciada ainda neste semestre e concluída até o final de 2021”.

O investimento da Brookfield vem em momento em que a energia solar tem crescido rapidamente no Brasil, em meio a uma acelerada queda nos preços da tecnologia.

Empreendimentos solares respondem hoje por apenas 1,45% do parque gerador do país, mas os últimos dois leilões do governo brasileiro para contratar novos projetos de energia, em junho e outubro do ano passado, marcaram as primeiras ocasiões em que usinas solares tiveram o menor preço entre as fontes negociadas, superando parques eólicos e hidrelétricas em termos de competitividade.

(Atualizada às 14h36)

Última atualização por Bruno Andrade - 28/01/2020 - 14:36