Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

ByteDance tenta vender participação no TikTok a Microsoft para app continuar no EUA

01/08/2020 - 18:27
TikTok
Autoridades dos EUA disseram que o TikTok, sob sua matriz chinesa, representa um risco nacional por causa dos dados pessoais que ele manipula (Imagem: Facebook/TikTok)

A companhia chinesa ByteDance concordou em alienar completamente as operações americanas da TikTok em uma tentativa de salvar um acordo com a Casa Branca, depois que o presidente Donald Trump disse na sexta-feira que decidiu proibir o popular aplicativo de vídeo, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto neste sábado.

Autoridades dos EUA disseram que o TikTok, sob sua matriz chinesa, representa um risco nacional por causa dos dados pessoais que ele manipula.

A concessão da ByteDance testará se a ameaça de Trump de proibir o TikTok é uma tática de negociação ou se ele pretende reprimir um aplicativo de mídia social que tem até 80 milhões de usuários ativos diários nos Estados Unidos.

Trump disse a repórteres a bordo do Air Force One na noite de sexta-feira que emitiria uma ordem para que o TikTok fosse proibido nos Estados Unidos neste sábado. “Não é o acordo que você está ouvindo, que eles vão comprar e vender… Nós não somos um país de M&A (fusões e aquisições)”, afirmou.

A ByteDance procurava anteriormente manter uma participação minoritária nos negócios da TikTok nos EUA, que a Casa Branca havia rejeitado.

Sob o novo acordo proposto, a ByteDance sairia completamente e a Microsoft Corp assumiria o TikTok nos Estados Unidos, disseram as fontes.

Alguns investidores da ByteDance baseados nos Estados Unidos podem ter a oportunidade de assumir participações minoritárias nos negócios, acrescentaram as fontes. Cerca de 70% dos investidores externos da ByteDance são norte-americanos.

A Casa Branca se recusou a comentar se Trump aceitaria a concessão da ByteDance.

O ByteDance em Pequim não respondeu a um pedido de comentário.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Gustavo Kahil - 01/08/2020 - 18:27