BusinessTimes

C&A (CEAB3) tem lucro de R$ 154,4 milhões no 4T21, expansão de 41,2%

10 mar 2022, 19:21 - atualizado em 10 mar 2022, 19:38
C&A CEAB3
No acumulado do ano, a C&A lucrou R$ 329 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 166,3 milhões registrado um ano antes (Imagem: Money Times/ Gustavo Kahil)

A C&A (CEAB3) teve lucro líquido de R$ 154,4 milhões no quarto trimestre de 2021. De acordo com o relatório divulgado pela companhia nesta quinta-feira (10), o resultado representa um crescimento de 41,2% em relação ao montante reportado em igual período de 2020.

No acumulado do ano, a varejista de moda lucrou R$ 329 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 166,3 milhões registrado um ano antes.

Segundo a C&A, o desempenho veio em função de:

  • impactos não recorrentes no Imposto de Renda e Contribuição Social, reportados no terceiro trimestre de 2021 (decorrente de créditos fiscais relacionados à não incidência de IRPJ e CSLL sobre a correção da SELIC nos processos de repetição de indébito); e
  • processo de exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS entre os anos 2015 e 2017, reportados no segundo trimestre de 21.

Excluindo o efeito dos ganhos tributários não realizados no ano de 2021, a C&A apresentaria prejuízo líquido.

A receita líquida total da companhia atingiu R$ 1,8 bilhão no quarto trimestre, representando um avanço de 6,6% no comparativo anual. O indicador SSS (Vendas Mesmas Lojas) apresentou crescimento de 5,8%, ante queda de 0,8% nos últimos três meses de 2020.

No ano, a receita líquida chegou a R$ 5,1 bilhões, montante 26,1% maior sobre os R$ 4 bilhões registrados no ano anterior.

A receita bruta online da C&A totalizou R$ 900,7 milhões em 2021, alta de 36,8% em relação a 2020.

No quarto trimestre, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado avançou 22,6%, para R$ 201,4 milhões. A margem Ebitda ajustada avançou 1,4 ponto percentual e atingiu 10,8%.

Nos 12 meses do ano, o Ebitda ajustado registrou saldo positivo de R$ 55,6 milhões, ante baixa de R$ 58,5 milhões.

Editora-assistente
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como editora-assistente do Money Times há pouco mais de três anos cobrindo ações, finanças e investimentos. Antes do Money Times, era colaboradora na revista de Arquitetura, Urbanismo, Construção e Design de interiores Casa & Mercado.
Linkedin
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como editora-assistente do Money Times há pouco mais de três anos cobrindo ações, finanças e investimentos. Antes do Money Times, era colaboradora na revista de Arquitetura, Urbanismo, Construção e Design de interiores Casa & Mercado.
Linkedin