Café fica cada vez mais caro e bate no pico de 10 anos por desabastecimento global

23/11/2021 - 16:11
Café
Prepare o bolso, pois a próxima safra cafeeira vai ser apenas menos ruim (Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil)

No dia 19, o café arábica flertou com máximas de 10 anos na bolsa de commodities de Nova York. Nesta terça (23) o ativo conseguiu e fechou em 242,05 cents de dólar por libra-peso, arrastando uma alta acima de 4%.

Ontem, houve um intervalo para realização de lucros, mas a sequência de valorização recorde parece que tem mais fôlego pela frente tomando a situação do Brasil como o maior provedor global, além de outros atores com entregas menores.

Sobre a quebra da safra colhida este ano no Brasil, em torno dos 19% a 20%, para chegar aos 56 milhões de sacas, segundo algumas análises conhecidas (a Conab já havia falado em até 48 milhões/sc), paira agora dúvidas sobre a recuperação da próxima campanha.

As chuvas voltaram a ficar irregulares no cinturão cafeeiro mineiro e lança temores sobre a qualidade da florada, período crucial, neste momento, para determinar o volume.

Na mesma época de 2020, o cenário de seca nos meses anteriores já deixava a marca na florada. Depois o verão não foi dos melhores, a estiagem veio mais cedo, e as geadas completaram o estrago.

Se já seria difícil que houvesse reequilíbrio, mesmo sendo um período positivo da bienalidade da cultura – altera uma safra boa, outra menor -, agora se coloca as projeções ficam mais tímidas. A partir de fevereiro a situação ficará mais cristalizada.

Na ponta da demanda global, as expectativas são melhores, mesmo ao ritmo de um novo alerta de surto da covid-19.

Leia mais sobre: , , ,

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 23/11/2021 - 16:11

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web