Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Calendário Econômico: 5 principais notícias para acompanhar nesta semana

06/01/2020 - 10:49
O mercado será repleta de ação na primeira semana de 2020 (Imagem: Pixabay)

A primeira semana completa de negociação de 2020 parece que será repleta de ação com a geopolítica firmemente no topo da agenda do mercado, com um forte aumento nos preços do petróleo após o assassinato de um dos principais comandantes iranianos pelos EUA.

Os investidores também estarão atentos ao primeiro número de empregos nos EUA da década e a novos detalhes sobre o acordo comercial de fase 1 EUAChina.

Petróleo volta a ferver

Os preços do petróleo subiram na sexta-feira depois que os EUA mataram um dos principais comandantes militares iranianos em um ataque aéreo, aumentando os temores de um conflito no Oriente Médio que poderia interromper o fornecimento.

O petróleo bruto dos EUA – WTI – subiu 3,1%, enquanto o índice de referência global, o Brent saltou 3,5%, para mais de US$ 68 por barril.

A última vez que o Brent atingiu esses níveis foi em meados de setembro, quando um ataque às instalações de petróleo da Arábia Saudita provocou o maior aumento de preços em mais de 30 anos.

petróleo
Os preços do petróleo subiram na sexta-feira depois que os EUA mataram um dos principais comandantes militares iranianos em um ataque aéreo (Imagem: REUTERS/Regis Duvignau)

Se o aumento dos preços do petróleo se manterá assim depende de quando, como e se o Irã retaliará o assassinato do general Qassem Soleimani.

O aumento do preço do petróleo em setembro durou pouco, pois Riad não respondeu aos ataques, os EUA culparam o Irã e o Irã, por sua vez, negou. No entanto, se agora o país cumprir sua ameaça de “retaliação severa” agora poderá ampliar as movimentações do mercado.

Prêmio de risco geopolítico

Os mercados globais podem permanecer pressionados nos próximos dias, com os analistas esperando que os movimentos defensivos das ações superem o desempenho, diminuindo a pressão descendente sobre os rendimentos do Tesouro e os ganhos para as moedas de refúgio.

Os principais índices de Wall Street saíram de recordes na sexta-feira, com o S&P 500 caindo 0,7%, obtendo cinco semanas de ganhos para o índice.

Além da escalada das tensões no Oriente Médio, uma contração maior do que o esperado no setor industrial dos EUA levantou preocupações sobre a desaceleração do crescimento econômico.

“Houve um reforço da atividade industrial fraca e agora você tem a centelha geopolítica”, disse Michael Antonelli, estrategista de mercado da Robert W. Baird em Milwaukee. “Isso reforça o sentimento de que o mercado foi comprado em excesso”.

Relatório de empregos nos EUA

Uma questão-chave nos mercados globais nos últimos meses tem sido se a fraqueza na indústria começará a atingir o crescimento dos empregos. Nos EUA, o mercado de trabalho permaneceu relativamente resiliente, apesar da fraqueza na atividade industrial e isso, juntamente com o sólido crescimento dos salários, sustentou a confiança do consumidor.

O relatório final de empregos nos EUA em 2019 mostrou que 266.000 empregos foram adicionados em novembro, o máximo em 10 meses, enquanto a taxa de desemprego de 3,5% foi a mais baixa em meio século. Prevê-se que o crescimento dos empregos de dezembro tenha diminuído para 160.000.

O quadro do mercado de trabalho sugere que a guerra comercial do presidente Donald Trump com a China não teve muito impacto na economia em geral, que se expandiu a um ritmo de 2,1% no terceiro trimestre.

As contratações da indústria foram afetadas, mas as esperanças são altas para uma assinatura do acordo comercial da fase 1 em 15 de janeiro.

Acordo comercial

Quase dois anos de conversas, vai e vem nas negociações e tarifas de retaliação por ambas as partes podem terminar em 15 de janeiro, data em que o presidente Trump diz que Pequim e Washington assinarão um acordo comercial da Fase 1.

Mas a China se manteve calada sobre o assunto e os investidores não sabem ao certo o que o texto do acordo realmente dirá, mantendo os mercados globais no limite.

Donald Trump
Segundo o presidente Donald Trump, em 15 de janeiro China e EUA poderá assinar o acordo da fase 1  (Imagem: REUTERS/Sarah Silbiger)

Nos últimos dias, os mercados chineses se deliciaram com os dados otimistas de vendas no varejo, indicadores sólidos de fabricação e novas medidas de estímulo, com o banco central diminuindo os requisitos de taxa de reserva dos bancos.

Mas o que vem depois? Os PMIs de serviços publicados na segunda-feira serão cruciais, assim como os números da inflação de quinta-feira.

A terça-feira trará dados sobre reservas do banco central, indicando se o baú de reservas de US$ 3 trilhões em Pequim está crescendo ou diminuindo.

A conta do Brexit

O Parlamento britânico se reunirá em 7 de janeiro e debaterá o acordo de divórcio que o primeiro-ministro Boris Johnson negociou com Bruxelas. O projeto vai para a Câmara alta do Parlamento na quinta-feira e deve permitir que Johnson cumpra sua promessa de “concluir o Brexit” até 31 de janeiro.

Mas as preocupações com a perspectiva de um Brexit sem acordo ainda pesam sobre a libra esterlina, que está abaixo de US$ 1,31, em relação às máximas de dezembro acima de US$ 1,35.

Depois que o Parlamento aprovar o acordo, o relógio começa a se aproximar do futuro relacionamento comercial da Grã-Bretanha com a UE. Se um acordo não for alcançado até o final de 2020, o resultado ainda pode ser que a Grã-Bretanha deixe a UE sem acordos comerciais.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

No entanto, com uma medida do Brexit provavelmente tomada até o final do mês, a libra esterlina pode reagir mais do que no ano passado aos dados econômicos.

Espera-se que a leitura final da atividade de serviços do Reino Unido em dezembro na segunda-feira mostre um pequeno aumento, embora permaneça no território de contração abaixo de 50.

Os dados de preços da habitação na quarta-feira também podem oferecer pistas sobre a força do mercado imobiliário, agora que há um pouco mais de clareza no Brexit.

Última atualização por Rafael Borges - 06/01/2020 - 10:51