Economia

Campos Neto alerta para fator que está atrapalhando a desinflação e juros mais baixos; confira

21 fev 2024, 14:28 - atualizado em 21 fev 2024, 15:07
campos-neto-fiscal inflação juros desinflação
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, lembra que a inflação aqui no Brasil ainda não está resolvida.(REUTERS/Adriano Machado)

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, alertou que a tensão no Mar Vermelho, causada pelos ataques do grupo rebelde do Iêmen Houthi, está atrapalhando o transporte marítimo na região e isso pode refletir no movimento de desinflação global.

Em palestra promovida à Frente da Economia Verde, nesta quarta-feira (21), Campos Neto destacou que este é um fator de risco que pode impactar o processo de afrouxamento monetário.

“Se de fato o processo de desinflação for interrompido, a gente vai ter que viver com juros mais altos”, afirmou.

O presidente do BC aproveitou para lembrar que a inflação aqui no Brasil ainda não está resolvida. Segundo ele, o país possui uma inflação de serviços ainda em um patamar “um pouco acima” do ideal e que ainda não é possível identificar como será o ritmo da “última milha” do indicador no caminho da convergência para a meta de inflação.

Ele também descartou a ideia de que os juros reais estejam subindo.

Em relação ao fiscal, Campos Neto destaca que o processo de trajetória de dívida que tende a se estabilizar ou a subir numa velocidade menor após a instituição do arcabouço fiscal.

Por outro lado, ele deu um puxão de orelha no governo ao lembrar que o Brasil tem uma dificuldade histórica em ajustar a parte de gastos, cobrando um controle maior do lado fiscal.

“A questão é: em algum momento a gente vai precisar falar de como fazer a convergência da dívida. Eu acho que esse é um tema que tem dominado o debate, e está muito associado a um nível de juros de equilíbrio com que você consiga trabalhar, não só no Brasil como em outros países”, afirmou.

Confira a apresentação de Campos Neto


*Com informações da Reuters

Editora-chefe
Formada em Jornalismo pela PUC-SP, tem especialização em Jornalismo Internacional. Atua como editora-chefe no Money Times e já trabalhou nas redações do InfoMoney, Você S/A, Você RH, Olhar Digital e Editora Trip.
Linkedin
Formada em Jornalismo pela PUC-SP, tem especialização em Jornalismo Internacional. Atua como editora-chefe no Money Times e já trabalhou nas redações do InfoMoney, Você S/A, Você RH, Olhar Digital e Editora Trip.
Linkedin