Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Carnes: cenário aponta para queda dos preços após 2021, diz Ágora

28/09/2020 - 14:44
Porcos, Suinos
Os analistas estimam que a autossuficiência da China (participação da produção doméstica no consumo total) em 2020 é de 89% para carne suína (Imagem: Pixabay)

A China deve movimentar o mercado de proteínas e provocar uma queda nos preços nos próximos anos, mostra relatório da Ágora enviado a clientes nesta segunda-feira (28).

Segundo documento do Conselho de Estado chinês, o país asiático tem como meta 95% de autossuficiência em carne suína. A China também busca a autossuficiência básica em aves e ovos.

A peste suína africana encolheu os plantéis de suínos da China quase pela metade, o que impulsionou as importações e elevou os preços da carne suína a nível recorde.

O governo do presidente Xi Jinping lidera uma campanha para aumentar a eficiência e a segurança do setor de alimentos, reduzir o desperdício e aumentar o peso do abastecimento doméstico.

“Embora algumas dessas metas pareçam agressivas (por exemplo, entendemos que a China tem restrições de terra e água para o crescimento da produção de carne bovina), observamos que nosso cenário base assume uma queda cíclica para todos os preços de proteínas após 2021, conforme a China se recupera da peste suína africana”, dizem os analistas Leandro Fontanesi e Ricardo França.

Eles estimam que a autossuficiência da China (participação da produção doméstica no consumo total) neste ano é de 89% para carne suína, 96% para frango e 72% para carne bovina.

Se as metas do governo chinês forem atingidas, tudo indica que as importações de carne da China podem cair à medida que o país aumenta a produção de proteína.

Já a XP lembra que o crescimento do rebanho de suínos impulsionaria as compras internacionais de soja e grãos para ração. Isso ocorreria em um momento em que a China já é o maior comprador de soja e caminha para se tornar o maior importador de milho do mundo, afirma.

Para a corretora, o plano se trata de uma política de longo-prazo que reflete questões de soberania nacional e segurança alimentar do país.

“Na nossa visão, a questão central não é se o governo chinês será capaz de cumprir tal plano ou não, mas sim se a produção local se tornaria competitiva o suficiente versus as importações de países com melhores condições climáticas, maior oferta de grãos, etc.”, argumentou.

No setor, a Ágora mantém a recomendações de compra para JBS (JBSS3)(preço-alvo, R$ 33,00) e BRF (BRFS3) (preço-alvo, R$ 28,00), e neutro para Marfrig (MRFG3) (preço-alvo, R$ 17,00).

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Renan Dantas - 28/09/2020 - 15:28