Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Cemig opera em queda com balanço afetado pela valorização do dólar

15/08/2018 - 12:25

Cemig

Por Investing.com – Depois de perder mais de 3% no início da sessão, as ações da Cemig (CMIG4) mostram uma leve recuperação, recuando 1,13% a R$ 7,91. Na manhã de hoje, a estatal mineira de eletricidade divulgou prejuízo líquido de R$ 60,4 milhões no segundo trimestre de 2018, ante lucro de 138,1 milhões de reais no mesmo período de 2017.

O analista Kaique Vasconcellos, da corretora Safra, afirmou que os números ficaram em linha com as suas expectativas e ressaltou que o principal catalisador para as ações é o programa de desinvestimentos da companhia e que não há um avanço claro nesse front.

A equipe de analistas da Mirae Asset avalia que, embora o resultado tenha ficado no geral ligeiramente abaixo da expectativa, as perspectivas para a Cemig continuam positivas, pois existem diversos ativos à venda, no seu plano de desinvestimento.

Com isso, a corretora espera que a retomada do consumo, principalmente do industrial e o seu endividamento continue estável e o ligeiro aumento foi decorrente da variação cambial.

Eles destacam que empresa é uma estatal, mas mesmo com entrada de um novo governo, deva ocorrer uma revisão de metas, visando recuperar a estrutura de capital, permitindo a empresa voltar a remunerar de forma mais representativa seus acionistas.

A recomendação é de Compra, com potencial de valorização de 28% e a CMIG4 negocia a um múltiplo EV/Ebitda 2018 de 6,2x e para 2019 de 5,2x.

Para o analista da Brasil Plural (BPFF11), o pior agora parece ter passado, já que seus recentes esforços para aumentar a eficiência e uma revisão tarifária melhor do que a esperada para seus negócios de distribuição melhoraram seus dados operacionais neste trimestre, conforme nota a clientes.

Na visão da Coinvalores, o impacto da variação cambial sobre empréstimos e financiamentos, mas especificamente sobre os Eurobonds emitidos ao final do ano passado, elevou expressivamente a despesa financeira do trimestre, culminando na reversão do lucro de R$ 138,1 milhões registrado há doze meses para um prejuízo de R$ 60,4 milhões agora.

Em termos operacionais, houve importante melhora no segmento de distribuição, puxada pela alta de cerca de 5% no volume faturado e pelo reajuste tarifário, mas a área de geração, por outro lado, foi afetada não só pelo menor volume de vendas, mas também pelo maior dispêndio com compra de energia e encargos setoriais no período em análise. O EBITDA subiu cerca de 10% ante o 2T17 e também frustrou as expectativas.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , , , ,

Última atualização por Victor Fermino - 15/08/2018 - 12:26