Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Cemig pode vender fatias em Taesa e Aliança se tiver boas ofertas, dizem executivos

15/09/2020 - 11:50
Cemig
“Joias da coroa”: segundo Cemig, há ativos que recebem ofertas espontâneas de compra (Imagem: YouTube/Cemig)

A estatal mineira de energia Cemig (CMIG4) segue com seu plano de desinvestimentos, que poderá incluir até a venda de ativos não incluídos antes na lista de unidades preferenciais para negociação, disseram executivos da companhia durante evento online com investidores nesta terça-feira.

A empresa acrescentou às participações que podem ser eventualmente vendidas suas ações na transmissora de energia Taesa (TAEE11) e na Aliança, uma joint venture de geração de energia com a Vale (VALE3), assim como fatias minoritárias em geração, que poderiam ser alvo de transações de forma “oportunista”.

“Não dá para deixar de comentar possíveis desinvestimentos que a gente chamou de oportunistas. São ativos considerados muitas vezes ‘joia da coroa’, que não buscamos ativamente desinvestir, mas recebemos eventuais ofertas”, disse o chefe da área de participações da Cemig, Rafael Noda.

“Dentro da estratégia de maximizar valor, a gente não vai rasgar dinheiro, então, se recebermos propostas irrecusáveis por esses ativos, não recusaremos”, acrescentou ele.

Enquanto isso, a empresa segue focando a venda de suas participações na elétrica Light (LIGT3) e nas hidrelétricas de Santo Antônio e Belo Monte, consideradas não estratégicas e de poucas sinergia.

Na unidade de distribuição de gás Gasmig, a estratégia de desinvestimento envolverá a listagem da empresa em bolsa, segundo Noda, mas a forma de estruturação dessa operação ainda está sendo avaliada.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Márcio Juliboni - 15/09/2020 - 11:50