Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Chama o Max: A Vale está cara?

09/04/2021 - 15:32
Max Bohm, analista da Empiricus Research
“Nunca em sua história a Vale havia alcançado um valor de mercado acima de R$ 500 bilhões”, diz o colunista (Imagem: Divulgação/ Empiricus)

Philip Fisher, um dos grandes investidores da história, dizia algo que ia contra a teoria do value investor clássico: “Às vezes, vale a pena pagar um pouco mais para ser sócio de um negócio de alta qualidade”.

Eu concordo com Fisher. Veja o caso da gigante brasileira Weg (WEGE3). Os múltiplos da empresa estão esticados, ok, mas eles sempre foram. É a ação “cara” que fica mais “cara” a cada dia. E por quê?

Porque Weg se reinventa a todo momento. Novos negócios, muita inovação e tecnologia e um case preparado para as tendências futuras: eficiência energética, soluções digitais, energia renovável e mobilidade elétrica.

Além disso, a Weg possui vantagens competitivas importantes, uma marca reconhecida no mundo todo e um potencial de geração de caixa absurdo. A empresa entrega números que geralmente surpreendem, por isso vale a pena investir nela. Weg tem seu valor e este valor só aumenta nos últimos anos e continuará crescendo.

Espera-se que a legalização das apostas esportivas seja muito significativa aos impostos

Mas hoje eu não quero falar de Weg, da qual nitidamente sou fã. Hoje eu vou falar de uma outra companhia que tem fundamentos sólidos como a Weg, mas com um adicional interessante: ela está extremamente barata. Uma ação que Graham e Fisher investiriam juntos.

Mas antes quero deixar uma dica para o investidor iniciante. Quando fundamento e timing estão alinhados, a chance do seu investimento ser bem-sucedido cresce exponencialmente.

Momento é muito importante para uma ação. Cenário macroeconômico favorável impactando positivamente nos resultados da companhia é tudo que um sócio de empresa deseja. Esta equação tem uma metáfora: foguete.

Sem delongas, hoje quero falar sobre Vale (VALE3). A ação da gigante brasileira produtora de minério de ferro ultrapassou os R$ 100 novamente nesta semana, atingindo a sua máxima histórica a R$ 104,62.

Sim, nunca em sua história a Vale havia alcançado um valor de mercado acima de R$ 500 bilhões. Esta semana vimos a mineradora colocar jardas à frente de Petrobras, Ambev e Itaú e se manter na posição de empresa com maior capitalização na Bolsa hoje.

Muitas pessoas me perguntaram: Vale está R$ 100, mesmo assim é para comprar?

E eu respondi: claro que sim! Mesmo a R$ 100,00, continua sendo uma das ações mais baratas da Bolsa em múltiplos e vive um momento realmente muito especial.

Vamos analisar o ambiente macro para Vale.

O preço do minério de alta qualidade se mantém acima de US$ 150 com demanda crescente aliada aos fechamentos de capacidade produtiva provocados pela pandemia, que acabaram reduzindo os estoques da commodity a níveis baixos.

Vale
(Imagem: Facebook/Vale)

Dois gatilhos com relação ao preço do minério também são relevantes: a demanda chinesa deve aumentar notadamente, considerando uma expectativa de crescimento do PIB do país de 6,0% para este ano; e o plano trilionário de infraestrutura nos EUA divulgado recentemente pelo presidente Joe Biden, através do qual se pretende construir pontes, estradas, portos e moradias; ou seja, aço “na veia” que consome bastante minério de qualidade (o da Vale).

Dado que os produtos vendidos pela Vale (minério, cobre e níquel), são denominados em dólar, a valorização da moeda americana frente ao real (hoje R$ 5,50) combinada com um volume vendido de 320 mil toneladas de minério este ano pode gerar uma expansão de 40% na receita da companhia em 2021.

Quando analisamos os aspectos microeconômicos, nossa confiança na tese de investimento só aumenta.

Com uma estrutura de custos mais enxuta nos últimos trimestres, a Vale pode entregar um crescimento de Ebitda de 60% em 2021 na comparação com 2020. Mantendo esse ritmo de geração de caixa operacional, a empresa será capaz de entregar um fluxo de caixa livre nos três próximos anos que correspondem a 40% do valor de mercado atual da companhia. É muito caixa gerado!

Esta condição única vai propiciar uma remuneração ao acionista nunca vista antes na empresa.

Na semana passada, a Vale anunciou um programa de recompra de ações da ordem de US$ 4,6 bilhões (mais de R$ 25 bilhões), o que equivale a 5% do valor de mercado. A ação respondeu positivamente no pregão seguinte ao anúncio. Esse movimento da empresa mostra que ao mesmo tempo o management está confortável com a capacidade de geração de caixa da companhia e sinaliza para o mercado que a ação está subvalorizada.

E não para por aí. Depois de ter pagado ótimos dividendos em março, a empresa já indicou que pretende distribuir mais dividendos no segundo semestre de 2021, gerando um dividend yield total de mais de 10% ao ano. É retorno ao acionista por todos os lados.

Ah, Max, e a questão de Brumadinho? A Vale errou feio com Brumadinho e Mariana e tem que pagar pelos acontecimentos. O valor da multa, a ser definida em breve, já está provisionado e o mais importante é que a empresa precisa recuperar a sua imagem perante a sociedade e está trabalhando para isso.

Nos últimos meses, a companhia vem desenvolvendo diversas ações sociais, sempre preocupada em se inserir cada vez mais na temática ESG. A companhia vai mostrar em breve que hoje é mais segura, confiável e respeitosa com a sociedade.

Por isso, amigos, afirmo categoricamente: os astros estão alinhados para a mineradora brasileira e, negociando a 2,8 vezes EV/Ebitda, estamos diante de uma das ações mais baratas do Brasil. Melhor dizendo, do mundo.

Portanto, os R$ 100 da Vale de hoje pode ficar para trás rapidamente e, por que não, vermos VALE3 sendo precificada a R$ 150? Eu acredito.

Fundamentos e timing estão juntos e misturados. Aproveite. Compre VALE3.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Diana Cheng - 09/04/2021 - 16:25

Pela Web