Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

China compra petróleo venezuelano adulterado para driblar sanção

22/01/2021 - 17:08
Faturas e e-mails lidos pela Bloomberg mostram petróleo carregado na Venezuela — como uma variedade chamada Hamaca — sendo tratado com aditivos químicos na costa de Cingapura e reaparecendo no mercado com novos nomes (Imagem: Reuters/Brendan McDermid)

Este talvez seja o segredo menos bem guardado do mercado de petróleo: milhões de barris venezuelanos embargados pelos EUA têm chegado discretamente à China.

Nesse jogo de gato e rato, o petróleo é transferido de navio para navio, com envolvimento de empresas de fachada e sinais de satélite silenciados. Outra estratégia envolve “dopar” o petróleo com aditivos químicos e mudar sua descrição na documentação para que possa ser vendido como um produto totalmente diferente, sem vestígio das raízes venezuelanas.

Faturas e e-mails lidos pela Bloomberg mostram até que ponto alguns comerciantes de combustível chegam para disfarçar a origem do petróleo e levá-lo para a Ásia, de modo que as refinarias chinesas representam uma tábua de salvação para o combalido setor petrolífero da Venezuela.

Autoridades dos EUA não podem proibir empresas chinesas ou internacionais de comprar petróleo venezuelano, mas podem pressioná-las financeiramente ao impedir que façam qualquer negócio com companhias americanas. Por isso, medidas complexas são tomadas para disfarçar a origem do petróleo.

A fiscalização do embargo americano é difícil, de acordo com Scott Modell, diretor da Rapidan Energy Advisors. “Há tantas maneiras de contornar as sanções”, disse ele. “Há muita gente disposta a correr o risco porque dá para ganhar muito dinheiro.”

Os documentos mostram petróleo carregado na Venezuela — como uma variedade chamada Hamaca — sendo tratado com aditivos químicos na costa de Cingapura e reaparecendo no mercado com novos nomes como “Singma” ou simplesmente como mistura de betume. A Swissoil Trading, sediada em Genebra, realizou as transações listadas nos documentos, atuando em nome da exportadora mexicana de petróleo Libre Abordo, que foi sancionada pelos EUA em junho por comprar óleo venezuelano.

Em um e-mail visto pela Bloomberg, um operador da Swissoil que oferecia o produto “Singma” recomendou que a documentação original identificando o petróleo como venezuelano não acompanhasse a carga. “Colocar a carta original de conhecimento de embarque a bordo de um navio é uma loucura, não faça isso”, escreveu o operador. “Você não entende o problema em que está se metendo.”

Em e-mail enviado em resposta a perguntas da reportagem, o advogado da Swissoil afirmou que a companhia “não está comercializando e não comercializou petróleo da Venezuela”.

A Bloomberg viu documentos referentes a pelo menos 11,3 milhões de barris de petróleo venezuelano que foram vendidos pela Swissoil e entregues à China no ano passado, disfarçado com outros nomes.

Dados alfandegários sugerem que esses documentos são apenas a ponta do iceberg e que outras empresas estão envolvidas em práticas de adulteração e venda. Oficialmente, a China não importa petróleo venezuelano desde setembro de 2019, enquanto as compras da Malásia — que não ampliou significativamente sua capacidade de produção de petróleo — atingiram em 2020 o maior patamar desde o início da série histórica, em 2004. No entanto, números da Bloomberg baseados em monitoramento de navios mostram que mais da metade das exportações de petróleo da Venezuela no ano passado foi parar na China. Em dezembro, a China foi o destino de todas as exportações de petróleo do país.

Petróleo
O petróleo venezuelano ainda tem forte apelo, especialmente para empresas que não lidam diretamente com os EUA (Imagem: Unsplash/@zburival)

No último mês de abril, o navio Celestial embarcou com petróleo venezuelano em um navio para a Malásia. Ele navegou para uma área a poucos quilômetros da costa de Cingapura conhecida como Western Petroleum Bravo – não muito longe do Universal Studios Singapore e de alguns dos melhores resorts e campos de golfe da Ásia. Lá ela recebeu 30 contêineres de aditivos químicos a um custo de US$ 233 mil, todos pagos pela Swissoil. “Senhores, esta é a taxa de doping”, disse um funcionário da Swissoil em uma troca de e-mail com Libre Abordo, a empresa que originalmente embarcou a carga na Venezuela. “Tenho certeza de que precisaremos desses caras no futuro, certifique-se de que eles sejam pagos prontamente.”

Depois que o Celestial levantou a âncora, sua carga foi renomeada para “Singma Blend”, uma mistura de Cingapura e Malásia. Singma e Hamaca são quimicamente quase iguais, de acordo com documentos vistos pela Bloomberg. Um mês depois, a Swissoil vendeu o petróleo para uma empresa em Hong Kong, Dayuan Import & Export Co Ltd., uma intermediária para a China. Em e-mails entre as empresas, o óleo não é identificado como originário da Venezuela.

O doping não é ilegal e é usado para colocar o petróleo dentro de certas especificações químicas para cumprir obrigações contratuais ou remover impurezas. Ocultar o local de origem do petróleo e rebatizá-lo é, no entanto, proibido. Várias comunicações vistas pela Bloomberg enfatizam a importância de garantir que nenhum documento original que possa identificar a proveniência do petróleo seja colocado a bordo. Em uma comunicação, um funcionário de petróleo venezuelano da Swissoil enfatizou “certifique-se de que o navio não saia com os originais a bordo. Nenhum original deve ser colocado a bordo de qualquer navio, dada a origem da carga … ”

A Swissoil e seu principal executivo, Philipp Apikian, entre outros foram sancionados pelo Departamento do Tesouro dos EUA em 19 de janeiro por fazer negócios com a Venezuela, depois que a Bloomberg pediu comentários para esta matéria. A empresa não respondeu a um terceiro pedido de comentário depois que eles foram colocados na lista. O Ministério do Comércio e a Administração Geral das Alfândegas da China não responderam aos faxes solicitando comentários.

Libre Abordo, que pediu falência em maio, não retornou e-mails solicitando comentários e os números de telefone anteriormente associados a seus executivos foram desconectados. Dayuan não respondeu a um e-mail pedindo comentários, e várias ligações para seu escritório com sede em Hong Kong não foram atendidas. Um porta-voz do Tesouro dos EUA não abordou os detalhes desta história, dizendo apenas que a política de sanções foi eficaz e continuaria a ser usada para pressionar o presidente Nicolas Maduro.

O mundo tem abundância de petróleo leve, graças ao xisto dos EUA. Mas a oferta de petróleo pesado é muito mais limitada devido às sanções à Venezuela e ao Irã.

A companhia nacional de petróleo da China, China National Petroleum Corp., cortou compras diretas com comerciantes de petróleo venezuelanos. Mas o petróleo venezuelano ainda tem forte apelo, especialmente para empresas que não lidam diretamente com os EUA. Apenas unidades especiais de refinaria chamadas de unidades de coqueamento podem processar o petróleo venezuelano, e a China tem a maior capacidade de processamento do mundo depois dos EUA. O petróleo venezuelano também obtém descontos brutais.

Última atualização por Diana Cheng - 22/01/2021 - 17:08

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web