Com a brasileira KIT, trading de carnes quer crescer comendo pelas beiradas dos players

16/07/2021 - 17:06

 

 

Comércio internacional de carnes através de intermediários tende a crescer (Imagem: REUTERS/Paulo Whitaker)

No comércio mundial de commodities, prevalecem as operações movimentadas pelas tradings. Originam aqui e vendem acolá. No comércio de proteína animal, manda o B2B (business to business), porque os grandes jogadores são players frigoríficos que exportam direto para os compradores, que em mercados capilarizados podem até ser distribuidores.

Com a brasileira KIT, a Garra International está nesse negócio e acredita que pode quintuplicar seu faturamento de US$ 200 milhões para US$ 1 bilhão em 10 anos, atraindo mais participantes de menor porte e que precisam de um apoio para garantirem penetração internacional.

O grupo neozelandês concluiu, depois de dois anos, a joint venture com a empresa fundada por Frederico Kaefer e com o portfólio agregado movimenta atualmente 120 mil toneladas anuais de carne suína, bovina, de aves e de carneiro.

E um dos diferenciais para essa ambição é a oferta de pagamento antecipado, antes do embarque do contêiner, para os fornecedores, explica Kaefer, que está mantido como CEO da companhia, com sede em Cascavel (PR).

A Garra tem bases já em 10 países, nos quais a oferta de frigoríficos de menor porte é mais marcante, mas já faz trader com 60 mercados, movimentando mais de seis mil contêineres anuais.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 16/07/2021 - 17:15

Cotações Crypto
Pela Web