Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Com oferta em risco, cobre chega ao maior preço desde 2018

13/07/2020 - 9:00
Cobre
Preços mais altos vão beneficiar mineradoras como a Freeport-McMoRan, a maior empresa de cobre com papéis listados em bolsa (Imagem: Pixabay)

O cobre atingiu a maior cotação em mais de dois anos na sessão de abertura desta semana. O aumento dos riscos relativos à oferta vinda da América do Sul se uniu ao sentimento positivo do mercado chinês, embalando os ganhos do metal enquanto os investidores acompanham a evolução da pandemia.

O avanço de preços foi observado para outros metais e para o minério de ferro. O cobre vem de uma sequência de oito semanas de alta em Londres.

Trabalhadores em uma mina da Antofagasta no Chile rejeitaram uma proposta salarial final, elevando a chance de greve e as preocupações com o abastecimento, com trabalhadores da mineração infectados pelo coronavírus no maior país produtor de cobre.

Nos últimos dois meses, o metal que costuma funcionar como indicador da atividade econômica se beneficiou de uma conjunção de fatores, com a oferta em risco enquanto as medidas de isolamento social são flexibilizadas ao redor do mundo.

O impulso mais recente vem do otimismo nos mercados financeiros da China, onde os ganhos das ações locais superam a alta de todos os mercados ao redor do mundo.

Preços mais altos vão beneficiar mineradoras como a Freeport-McMoRan, a maior empresa de cobre com papéis listados em bolsa.

A notícia sobre a mina do Chile foi “o gatilho da disparada do cobre hoje”, disse Jia Zheng, analista da Goldtrust Futures em Xangai. “A força subjacente é a ampla liquidez na China.

As expectativas e a confiança do mercado estão elevadas. O cobre é o que mais se beneficia entre os metais de base, pois está mais ligado à macroeconomia.”

Os investidores poderão avaliar a saúde da economia chinesa quando Pequim divulgar os dados do PIB do segundo trimestre, nesta quinta-feira.

A flexibilização das medidas de isolamento e uma quantia modesta de estímulo econômico provavelmente foram suficientes para gerar crescimento após a contração de 6,8% no primeiro trimestre.

Um indicador técnico em breve poderá fortalecer especulações de que o cobre ainda tem fôlego para subir. A média móvel de 50 dias na London Metal Exchange está prestes a superar a média móvel de 200 dias, formando um padrão conhecido como cruz dourada, que sinaliza ganhos adicionais.

A tonelada de cobre chegou a subir 3,5% para US$ 6.633 na LME, o maior nível desde julho de 2018, e era negociada a US$ 6.572 às 8:23 da manhã no horário local. Na Bolsa de Futuros de Xangai, o contrato mais ativo avançou 6%.

No início deste mês, o BMO Capital Markets alertou que, considerando o maior risco de interrupções na produção chilena, “subitamente um déficit no mercado de cobre em 2020 não está além dos limites da possibilidade”. O cenário para o metal era de equilíbrio entre oferta e demanda este ano, mas o risco de déficit vem aumentando, afirmou a instituição.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 13/07/2020 - 9:00