Comprometido em produção e em consumo, feijão está prometendo inflação na gôndola

13/05/2021 - 11:59
Feijão
Oferta de feijão está prejudicada em até 25% no Paraná, por exemplo, entre perdas em outros estados também (Imagem: Pixabay)

A segunda e principal safra de feijão está se consolidando com perdas significativas, apesar de estar em início de colheita.

Em paralelo, o consumo está aquecido, com a ajuda da segunda parcela do auxílio emergencial.

Isso já deixa os preços da saca batendo em até R$ 310 para o produtor, em algumas regiões, mas eles não vendem. Esperam mais altas.

E mesmo com o andar da safra, que deve acelerar nos próximos dias, não será suficiente para fazer frente à produção menor e apetite maior.

Vem inflação do feijão mais à frente no varejo.

A expectativa geral é de 1,2 milhão de toneladas ao fim da colheita, em julho, quebra que pode chegar a 300 mil/t.

As principais regiões produtoras nesta época são Minas Gerais, Goiás, São Paulo e oeste da Bahia, além do Paraná.

Só neste último estado, o Deral, órgão de economia agrícola do governo, estima perda de 25% do volume projetado, com o agravante de uma taxa elevada de feijão de baixa qualidade

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 13/05/2021 - 12:11

Cotações Crypto
Pela Web