Conteúdo Ripio

Por que as stablecoins são a melhor proteção contra a desvalorização do real

Há muitos motivos para você se preocupar com a desvalorização do real em relação a moedas fortes, como o dólar. O mais básico é que, sempre que ele se deprecia, você precisa de mais reais para trocá-los por US$ 1. Essa mudança do câmbio tem consequências profundas em toda a sua vida. Sempre que o dólar sobe, tudo o que é cobrado na moeda americana fica mais caro.

Os produtos importados são o exemplo mais óbvio, mas os impactos da desvalorização do real vão muito além. Entre eles, estão o aumento dos preços de importantes matérias-primas usadas pelas indústrias brasileiras e a elevação das dívidas atreladas a moedas estrangeiras. Até mesmo o reajuste dos aluguéis é maior, quando o dólar sobe. Isto porque, o IGP-M, índice de inflação que corrige esses contratos, é muito sensível à alta da moeda americana.

Em resumo, mesmo que você não tenha dívidas em dólar, nem planeje uma viagem ao exterior, sempre que o real se desvaloriza, seu custo de vida fica mais caro, e seu patrimônio, se convertido em dólares, fica menor. Apenas para lembrar, o dólar comercial para venda está cerca de 30% mais caro, em relação ao fim do ano passado. Não se trata de apenas um repique. Os economistas afirmam que o real continuará depreciado por bastante tempo.

Oferta e demanda

É fácil compreender por que o dólar sobe. Trata-se da velha lei da oferta e da procura. Quanto mais gente demanda a moeda americana, mais ela tende a se valorizar, se a oferta não crescer no mesmo ritmo. O primeiro grande comprador de dólares é o próprio governo. Assim, quanto maior a dívida do Tesouro Nacional em moeda estrangeira, maior será a quantidade que precisa comprar. É por isso que o atual rombo nas contas públicas pressiona o câmbio.

As empresas também são grandes compradoras de dólar, seja para pagar a importação de matérias-primas, insumos, máquinas e equipamentos, produtos e serviços, seja para quitar empréstimos contraídos no exterior. Filiais de multinacionais convertem seus lucros de reais para dólares, antes de enviá-los para suas matrizes. O mercado financeiro é outro forte comprador.

Por último, estão as pessoas físicas, que gastam dólares em viagens ao exterior e na compra de artigos importados, entre outros. Mas, o mais importante, é que muita gente recorre ao dólar para proteger seu patrimônio, comprando moeda forte para evitar que a inflação ou uma política econômica malsucedida arruíne o poder de compra do real. Essa estratégia se intensifica, em momentos de incerteza econômica, como a que vivemos hoje.

Criptodólares

Como você pode ver, é muita gente disputando um punhado de dólares – talvez, até você mesmo. A boa notícia é que há um jeito novo, seguro e muito prático de utilizar o dólar como proteção de seu patrimônio (ou hedge, no jargão dos financistas). Trata-se das stablecoins atreladas à moeda americana, também chamadas de criptodólares. Entre as mais conhecidas, estão a USD Coin (USDC) e a DAI. Em comum, todas mantêm a paridade de 1 para 1 com o dólar. Assim, 1 USDC vale US$ 1.

Ter parte do seu portfólio de investimentos em dólares é muito recomendado por especialistas em finanças, já que é uma proteção contra a instabilidade da nossa moeda local, o real. Principalmente atualmente, com todo o cenário causado pela pandemia do Covid-19 e seus efeitos econômicos.

Alternativas problemáticas

É verdade que você pode atrelar seu patrimônio ao dólar de outros modos, mas nenhum tem as vantagens e comodidades de uma carteira de stablecoins. Comprar ou vender dólares diretamente em casas de câmbio é mais burocrático e custoso do que parece. Além do cadastro, é preciso comprovar renda suficiente para operações acima de um determinado valor. O IOF cobrado pode chegar a 6,38%. E mais: poucas casas de câmbio funcionam 24 horas por dia, sete dias por semana.

Você também poderia recorrer aos fundos cambiais, mas eles também não são práticos. Muitos deles requerem um investimento mínimo e não possuem liquidez imediata. Assim, mesmo em casos de emergência, você precisará esperar alguns dias até o dinheiro cair na sua conta. Por fim, além do IOF, esses fundos são sujeitos a um tipo especial de tributação do Imposto de Renda, chamado de “come-cotas”.

Outra alternativa são os minicontratos de dólar. Nesta operação, você adquire contratos que vencerão numa data determinada. Você pode tanto apostar na alta, quanto na queda do dólar. Embora sejam indicados para ocasiões muito particulares, já deu para perceber as desvantagens desse instrumento: você precisa estar muito convicto de que apostou na direção certa (alta ou queda). Além disso, precisa renovar a operação periodicamente, já que os contratos vencem.

Resumindo, podemos considerar então que as stablecoins são o modo mais barato e prático de se defender da desvalorização do real. Primeiro, porque não sofrem com a mesma carga tributária das outras alternativas. Segundo, porque sua exposição ao dólar é imediata, sem burocracias ou prazos. Assim, se você está planejando uma viagem para o exterior, ou comprou algum produto importado no cartão de crédito, basta comprar stablecoins atreladas ao dólar para se proteger instantaneamente de qualquer surpresa.

Além disso, em casos de emergência, a liquidez das stablecoins é imediata. Você não precisará esperar a casa de câmbio abrir para trocar seus dólares por reais, nem o prazo de resgate do fundo cambial. Por último, investir nessas criptomoedas não requer conhecimentos específicos sobre o mercado financeiro, como o necessário para operar com derivativos.

Proteção ao alcance da mão

Tudo o que foi dito até aqui só comprova uma coisa: as stablecoins atreladas ao dólar são o jeito mais fácil, prático e rápido de se proteger contra a desvalorização cambial. Para comprá-las, basta criar uma conta numa plataforma especializada – como a Ripio – e armazená-las em sua carteira, um software que permite ao usuário comprar, vender, guardar e enviar criptomoedas. Com o aplicativo da Ripio, você pode, inclusive, investir em criptodólares pelo celular mesmo, a qualquer hora e de qualquer lugar.

E mais: suas stablecoins ficam à sua disposição, na sua carteira, 24 horas por dia, sete dias por semana. Assim, você não precisará mais esperar a casa de câmbio abrir, nem o gerente de seu banco começar o expediente, para cuidar de seu patrimônio. Ao abrir uma conta na Ripio para investir em stablecoins, você poderá dolarizar seus investimentos de forma rápida, segura e sem burocracia, e ainda terá a facilidade de comprar, vender e transferir os criptodólares a qualquer hora e de qualquer lugar.

E então? Quer saber como investir em stablecoins como a USDC e a DAI? Na plataforma Launchpad da Ripio, você encontra um guia completo sobre o assunto. Para acessá-la, clique aqui.

Faça como 1 milhão de investidores e deixe que a Ripio seja a sua porta de entrada para o mundo cripto.