Conteúdo Empiricus

Com ‘salários’ milionários, o ‘profissional digital do futuro’ ganha o suficiente para ficar rico em 2022 mesmo não tendo faculdade e trabalhando casa; veja como fazer parte

22/01/2022 - 13:09
Profissão digital do futuro
A profissão digital do futuro pode criar novos milionários em 2022; Fonte: Shutterstock

Eles trabalham de qualquer lugar do mundo, fazendo o seu próprio horário utilizando apenas a tela de um computador. Muitos deles sequer tem faculdade, mas mesmo assim conseguem embolsar quantias equivalentes aquelas que um juiz ou médico formado nas melhores universidades do país ganham.

E não, eu não estou falando da vida de quem faz marketing digital ou ainda investe em criptomoedas. Mas sim de quem caça e investe nas chamadas startups – empresas extremamente pequenas, disruptivas e com muito potencial de crescimento.

Enquanto boa parte dos brasileiros começou 2022 perdendo dinheiro no mercado financeiro, algumas stratups estão está transformando pessoas comuns em milionárias em tempo recorde, independente do bom humor do mercado. São valorizações de 63.563%, 133.233% e até mesmo superiores a 800.000%. 

E se você acha que esse mercado é exclusivo para milionários e bilionários conhecidos, ou ainda que precisa ter uma bolada para investir nessas pequenas notáveis, saiba que hoje, além de ser extremamente acessível para qualquer investidor comum investir em uma startup – com R$ 1.000 você já consegue investir – é muito rentável.

Se você acha que as maiores fortunas do mundo fazem mais dinheiro comprando ações na Bolsa de Valores você está muito enganado.

É neste mercado que os milionários conseguem ficar ainda mais milionários e até mesmo os bilionários conseguem ficar ainda mais bilionários e, mais importante, é aqui que, a partir de hoje, você também poderá buscar fortuna em pouco tempo investindo pouco dinheiro.

Afinal, o momento não poderia ser melhor para entrar nesta nova ‘profissão’. Isso porque o mercado de startups está bombando e a ideia de fazer fortuna com empresas disruptivas em seus estágio iniciais vem ganhando cada vez mais adeptos.

Segundo reportagem da Folha de São Paulo, antes mesmo do fim de 2021, o volume de investimentos em inovação e tecnologia chegou a bater na casa dos US$ 8,85 bilhões (R$ 50,13 bilhões) até novembro, mais que o dobro do total de 2020: US$ 3,659 bilhões (R$ 20,726 bilhões).

Mais importante que isso foi o retorno que estas pequenas notáveis entregaram para os seus investidores. Afinal, além do recorde em investimento em tecnologia, em 2021 também batemos o recorde de startups que se tornaram unicórnios – isto é, que ultrapassaram a marca de US$ 1 bilhão de valor de mercado. E quando isso acontece pode ter certeza que novos milionários foram criados.

Afinal, apenas a média de retorno para quem investiu nas startups brasileiras que viraram unicórnios logo no início é de incríveis 313.135%. Você não leu errado, na média, uma startup que virou unicórnio multiplicou o dinheiro investido por 3.131 vezes.

E se você achou isso muito, saiba que existem casos que fogem e muito dessa média. O mais famoso e recente deles você conhece: o Nubank. 

O atual maior banco da América Latina acaba de ser listado na Bolsa americana por nada mais nada menos que US$ 41 bilhões. É verdade que suas ações estão caindo, mas quem investiu antes do seu IPO, como foi o caso da firma de investimentos Berkshire Hathaway do lendário investidor Warren Buffett, está sorrindo de orelha a orelha, sabe por quê?

Na sua primeira rodada de avaliação, o Nubank foi avaliado em ‘apenas’ US$5 milhões, o que daria um retorno aproximado de 829.900% da primeira rodada até o IPO – isto é uma multiplicação superior a 8 mil vezes.

Isso significa que você precisaria investir singelos R$ 125 para ter a chance de conseguir hoje na conta mais de R$1.000.000. Eu tenho certeza que você gostaria de ter ‘caçado’ esse unicórnio. Quem chegou mais ‘tarde’ para a festa também não ficou para trás.

Em sua Série C, levantada em 2016, o Nubank foi avaliado em US$ 500 milhões post-money. Na Série G, de janeiro de 2021, a avaliação já havia pulado para US$ 25 bilhões. Isso quer dizer que os investidores que entraram na Série C, caso tenham vendido sua participação na Série G e não tiverem sofrido diluição, multiplicaram o capital investido em mais de 50x. Caso tenham aguardado o IPO para realizar seu exit (retorno do investimento), sua valorização foi ainda maior, 83x.

Pouco dinheiro investido aqui pôde virar muito em pouco tempo. Mas, infelizmente, isso não era possível naquele período. Para ter a chance de ser acionista do roxinho antes que ele fosse listado você precisaria ser um investidor convidado e ter muito dinheiro para aportar.

Mas fique calmo, não estou escrevendo este texto à toa. A boa notícia é que hoje a realidade é bem diferente. Afinal, você consegue se juntar a Warren Buffett e todas as maiores fortunas do mundo mesmo com pouco dinheiro e sem ser figurão convidado.

Com o aumento da procura de pessoas comuns em investir em startups a barreira de entrada se tornou extremamente baixa – como disse, com apenas R$ 1.000 você já consegue se tornar um acionista de algumas startups na sua primeira rodada.

É claro que não existe céu de brigadeiro neste mercado. Assim como todo investimento, investir em startups também possui riscos – mas são riscos que valem e muito a pena correr se você souber o que está fazendo e investir um valor baixo, que não comprometa o seu padrão de vida, afinal você não precisa de muito para ganhar muito aqui.

Basta lembrar que quem investiu no Nubank lá atrás conseguiu multiplicar o seu dinheiro por mais de 83 vezes.

Para melhorar, hoje existem diversos conteúdos na internet que ajudam e auxiliam pessoas comuns a darem o seu primeiro passo nesse universo lucrativo.

O aumento da procura de pessoas físicas por startups fez com que surgissem diversos cursos especializados em ensinar advogados, engenheiros, médicos, empresários, publicitários, autônomos, analistas de sistemas, vendedores, professores e diversos outros profissionais das mais variadas áreas a fazerem se tornarem caçadores de startups. E a melhor parte é que alguns deles são até de graça.

Alguns encaram como investimento, já outros como profissão: você está sendo convidado para participar da próxima rodada do ‘Shark Tank’; e poderá ser um investidor anjo do próximo unicórnio brasileiro com apenas R$ 1.000

Como é o caso do “investindo em startups” – treinamento que foi criado com a parceria entre a maior casa de análise do Brasil, Empiricus e a Captable, plataforma de investimento em startups.

O objetivo do treinamento é ajudar os interessados em investir neste mercado tão lucrativo e assimétrico de maneira rentável e, principalmente, segura.

A Empiricus fornecerá todo o seu conhecimento na área de análise de empresas para que no fim os alunos sejam plenamente capazes de não apenas comprar apenas boas startups, como também, montar um portfólio repleto e diversificado com os possíveis próximos unicórnios brasileiros.

Já a Captable colocará todo o seu know how em aquisições de startups a disposição dos interessados. Afinal, embora seja um universo cheio de oportunidades, existem grandes armadilhas.

É por isso que o curso passará por toda a parte teórica de como analisar uma empresa, seus sócios e sua operação até mesmo em questões sobre cuidados jurídicos que você precisa ter antes de investir de fato em uma startup.

E não pense que você vai aprender tudo isso com um teórico de plantão que nunca colocou a mão na massa de fato nesse mercado.

Pelo contrário, entre os professores estará Pedro Englert. Um dos responsáveis por ajudar a fundar a XP e colocá-la nos holofotes do mercado financeiro a ponto de se tornar hoje maior corretora do Brasil, valendo muito mais do que 1 bilhão de dólares.

Agora, Englert decidiu ir em busca do próximo unicórnio brasileiro e você poderá se juntar a ele nessa caçada. Já que, além de te ensinar toda a teoria necessária para que você possa analisar uma startup, no treinamento, Pedro vai convidar os alunos a participarem de uma rodada de investimentos ao vivo no estilo “Shark Tank” junto com ele.

Serão 3 empresas analisadas por Pedro em tempo real junto com os alunos. No final do ‘pitch de vendas’ Englert e todos os interessados poderão decidir se querem ou não investir nas startups. Lembrando que você não precisa de muito, a partir de R$ 1.000 você já consegue se tornar sócio do possível próximo unicórnio brasileiro. 

Você pode ganhar R$ 500 para dar o seu primeiro passo com os riscos minimizados nessa nov ‘profissão’

E aqueles que decidirem investir em qualquer uma das empresas dessa rodada ainda contarão com um auxílio financeiro de R$ 500 que será dado para os alunos para que eles possam investir em algumas empresas desse setor

A boa notícia é que os interessados já poderão colocar a mão na massa dando o primeiro passo a partir do dia 31 de janeiro  – e o melhor, sem pagar nada por isso. Pois a primeira aula do treinamento será disponibilizada gratuitamente para quem conseguir participar do evento 100% online e 100% gratuito que a Captable está organizando.

Dessa forma, você consegue ver se o conteúdo realmente é para você gratuitamente. E se for, pode ganhar R$ 500 ao longo do treinamento para fazer o seu primeiro investimento neste universo muito lucrativo.

E embora 500 reais possa parecer pouco, nesse universo essa quantia já pode ser a responsável por mudar a vida financeira de qualquer pessoa.

QUERO TER A CHANCE DE GANHAR R$ 500 PARA INVESTIR NO ‘PRÓXIMO UNICÓRNIO BRASILEIRO’ QUE PODE MULTIPLICAR O DINHEIRO POR 80 VEZES

Startup hoje, unicórnio amanhã

Afinal, Nubank não é o único caso de startup que enriqueceu os seus primeiros investidores. Ele é apenas um exemplo de diversos outros. Nubank, iFood, Gympass, Stone, Quintoandar, 99Taxi são exemplos das primeiras empresas unicórnios brasileiras.

Quem investiu algum capital nessas empresas pôde multiplicar seu dinheiro por infinitas vezes. E mesmo depois delas se tornarem unicórnios, a multiplicação continuou exponencial. Veja o caso de Stone, na sua primeira rodada de captação ela foi avaliada em US$ 11 milhões.

Já na sua estreia na Bolsa, o valor de mercado saltou para US$ 7 bilhões. Isso significa uma valorização de 63.536,3%. Ou seja, bastaria investir R$ 1.500 na empresa está com o número um seguido de seis zeros agora na sua conta bancária.

Depois, o mesmo aconteceu com a Movile, empresa dona da Ifood. Ela foi avaliada em torno de US$ 3 milhões. Mas, hoje, mesmo sem abrir capital na Bolsa ela já vale algo em torno de US$ 4 bilhões. Ou seja, uma valorização de 133.233%.

E esses não são casos isolados. Como disse no início do texto, a média de valorização das startups que viram unicórnios é de nada mais nada menos que 313.135%. É claro que existem casos que entregam mais e outros que entregam menos do que essa média.

Além disso, não são todas as startups que conseguem virar unicórnio. Não que isso seja um problema, afinal, se ela chegar apenas na metade do caminho já estaríamos falando de uma potencial valorização média de 150.000%.

Melhor do que os retornos, é o tempo que essas empresas levam para entregá-los.. Se você acha que vai ter que esperar décadas até que a sua startup cresça você não poderia estar mais enganado.

Afinal, estamos falando de empresas que, por natureza, precisam apresentar crescimento acelerado para ganhar o máximo de ‘market share’ possível.

Para que você tenha noção a rodada de investimentos em que normalmente se vira um unicórnio no Brasil é a quinta. Mas, em alguns casos isso acontece ainda mais rápido.

No último ano, porém, cinco das startups alcançaram a precificação de US$ 1 bilhão nas rodadas C e D. Duas delas, na B, ainda mais cedo, segundo a plataforma.  “É cada vez mais comum a startup virar um unicórnio rápido”, afirma o presidente-executivo da plataforma Sling Hub, João Ventura, para a Folha de São Paulo.

E, como você viu aqui, se você investiu em uma startup que antes dela virar unicórnio você ganhou, ponto. E a partir do dia 31, essa poderá ser a sua nova realidade. Já que você vai poder começar a se preparar para a rodada de investimentos preparada por Englert que tem de tudo para revelar um dos próximos unicórnios brasileiros.

As rodadas acabam em apenas algumas horas

Mas só tem um problema que é bom deixar claro. Assim como essas empresas apresentam crescimentos relâmpagos, as rodadas de captação das principais e mais baladas candidatas a unicórnio também passam voando.

Afinal, ninguém quer perder a próxima bola da vez que pode ultrapassar a marca de 1 bilhão de dólares e fazer os seus investidores ficarem ricos.

Fonte: Labs

É por isso que você deve se preparar ao máximo antes das rodadas se você quiser ter alguma chance de caçar a nova bola da vez que será revelada a partir do dia 31 de janeiro por Englert na rodada de investimento. É verdade que ainda faltam 11 dias para a data chegar, mas todo cuidado é pouco.

QUERO TER A CHANCE DE GANHAR R$ 500 PARA INVESTIR NO ‘PRÓXIMO UNICÓRNIO BRASILEIRO’ QUE PODE MULTIPLICAR O DINHEIRO POR 80 VEZES

A temporada de caça ao próximo unicórnio está aberta: pegue 500 reais para investir

E é exatamente com o compromisso de te preparar da melhor maneira possível para o grande dia da rodada de investimento, que pode conter o próximo unicórnio brasileiro, que a Empiricus e a Captable decidiram liberar a primeira aula completamente de graça no dia 31 de Janeiro.

Dessa forma você pode se preparar para o grande dia D e, quem sabe, sair de lá com um nome promissor para 2022.

A boa notícia é que você poderá fazer isso da melhor forma. Afinal, caso decida engrenar no treinamento e investir em alguma startup, além de contar com todo apoio para fazer o seu primeiro investimento neste mercado, vai ganhar R$ 500 de cashback do seu investimento.

Se quem chega primeiro bebe água limpa, no mercado financeiro quem chega primeiro fica rico. E você poderá ser um dos pioneiros desta empresa a partir do dia 31 já ganhando R$ 500 logo de cara. Quer começar 2022 entrando de cabeça em um dos mercados mais lucrativos do mundo? Então o a aula do dia 31 é pra você.