Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Coronavírus ameaça varejo, mas algumas ações do setor são mais seguras

04/03/2020 - 14:26
Consumidor Consumo Varejo Coronavírus
Nem todos os varejistas estão enfrentando os mesmos riscos, embora a expectativa seja que a indústria de brinquedos dos EUA seja a mais atingida, já que mais de 85% dos seus produtos são provenientes da China (Imagem: Reuters/Tyrone Siu)

A incerteza econômica provocada pelo coronavírus tornou a perspectiva de diversos setores da economia nebulosa. Isso inclui o varejo, que está na linha de fogo se essa doença global forçar os consumidores a ficar em casa e conter seus gastos.

Mas nem todos os varejistas estão enfrentando os mesmos riscos: embora a expectativa seja que a indústria de brinquedos dos EUA seja a mais atingida, já que mais de 85% dos seus produtos são provenientes da China, alguns grandes varejistas focados em alimentos devem escapar do pior dessa crise.

E o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) entrou ontem em cena para tentar limitar a extensão dos danos, implementando um corte de juros emergencial para prevenir uma recessão global, na medida em que o vírus continua deprimindo a atividade econômica na China e no resto do mundo.

De acordo com analistas, o setor de varejo nos EUA será afetado tanto por problemas de demanda quanto de cadeia de fornecimento, à medida que o vírus se espalha por mais estados. Analistas da Cowen escreveram em nota o seguinte, nesta semana:

“A queda na confiança do consumidor, a probabilidade de fortes declínios no tráfego do varejo e os fechamentos temporários de lojas são fatores de risco crescentes, que dependem de variáveis incertas, como a disseminação geográfica do vírus e o timing das soluções de contenção/erradicação.”

Uma luz no fim do túnel

Embora a situação continue bastante fluida, enquanto os economistas tentam entender o dano que essa doença pode causar nos próximos dias e semanas, a agressiva reposta monetária do Fed parece ser uma luz no fim do túnel para os varejistas.

O banco central americano cortou sua taxa referencial de juros em 50 pontos-base ontem para ajudar as empresas e consumidores a enfrentar os impactos do vírus na economia dos EUA.

O afrouxamento das condições monetárias da última década alimentou uma explosão sem precedentes nos gastos no varejo, ajudando as empresas a aumentar sua lucratividade.

Ainda que não imediatamente, os cortes de juros serão positivos para as ações de varejo, principalmente para os supermercados e grandes redes de loja, como o Walmart, a Target e a Home Depot, que estão mais bem posicionados para enfrentar o choque econômico do que players menores.

Walmart Semanal
Walmart Semanal

Observando os preços de suas ações desde a disseminação do coronavírus, está bastante óbvio que essas empresas estão tendo um desempenho melhor do que o mercado mais amplo e alguns investidores estão se refugiando nelas.

Os papéis do Walmart e da Costco Wholesale (COST), por exemplo, estão apresentando uma performance melhor nessa queda do que outros varejistas. Eles se valorizaram 1% e 2% respectivamente no último mês, quando o S&P 500 caiu cerca de 5%.

Costco Semanal

Os varejistas que não devem se sair bem nessa crise de saúde são aqueles que se concentram em roupas e não vendem alimentos. Uma disseminação generalizada do coronavírus também afeta a demanda de cadeias de lojas de departamento, como Kohls (NYSE:KSS) e Nordstrom.

As ações dos grandes varejistas dos EUA, incluindo o Walmart, são consideradas defensivas, pois essas empresas se recuperam rapidamente após um choque inicial, graças à natureza dos seus negócios.

A grande rede de lojas do Walmart, seu enorme poder de pressionar seus fornecedores e a aceleração das vendas online fazem jus ao seu status de porto seguro.

Um fator que favorece esse varejista em relação aos demais são suas fortes vendas de alimentos. Isso o isola melhor dos distúrbios relacionados ao coronavírus do que muitos concorrentes, pois os alimentos são provenientes da América do Norte, em sua maior parte.

Com essa forte posição de mercado, o mais importante para os investidores é a capacidade da empresa de gerar caixa regularmente. O Walmart possui um excelente histórico nessa área também.

Desde que começou a distribuir dividendos em março de 1974, o Walmart elevou seus proventos todos os anos e agora oferece um dividendo anual de US$ 2,16 para um rendimento de 1,86%.

Resumo

É difícil imaginar que as ações de varejo não sentirão o impacto da rápida disseminação do coronavírus nos EUA. Os consumidores certamente reduzirão suas visitas às lojas e seus gastos também, caso haja uma desaceleração econômica.

Mas grandes supermercados, como o Walmart e a Costco, oferecem um sólido potencial de receita e uma boa proteção caso a economia desacelere ou entre em recessão.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 04/03/2020 - 14:26