Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Coronavírus: Pessoas querem notícias confiáveis

22/06/2021 - 21:02
Banca de jornal em Veneza
Uma ampla maioria de pessoas em todos os países acredita que os meios de comunicação devem refletir uma variedade de pontos de vista e tentar ser neutros (Imagem: REUTERS/Manuel Silvestri)

A pandemia de coronavírus alimentou a fome por notícias confiáveis ​​em um momento de crise global, e uma ampla maioria das pessoas deseja que os veículos de comunicação sejam imparciais e objetivos, disse o Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo.

A confiança nas notícias cresceu durante a pandemia, especialmente na Europa Ocidental, ajudando marcas com reputação de reportagens confiáveis, embora a desconfiança tenha sido particularmente aparente na mídia polarizada dos Estados Unidos.

Uma ampla maioria de pessoas em todos os países acredita que os meios de comunicação devem refletir uma variedade de pontos de vista e tentar ser neutros, disse o instituto em seu relatório anual.

“Passamos por um período muito sombrio e grande parte do público reconhece que as organizações de notícias muitas vezes são responsáveis pela luz nessa escuridão”, disse Rasmus Nielsen, diretor do Instituto Reuters.

“Tem havido uma maior valorização das notícias confiáveis ​​em geral”, afirmou ele à Reuters. “Está muito claro em nossa pesquisa, país por país, faixa etária por faixa etária, que a grande maioria deseja que o jornalismo tente ser neutro.”

O relatório é baseado em pesquisas que abrangem 46 mercados e mais da metade da população mundial.

A acelerada revolução tecnológica representa que 73% das pessoas agora acessam notícias por meio de um smartphone, contra 69% em 2020, enquanto muitos usam as mídias sociais ou aplicativos de mensagens para consumir ou discutir notícias.

O TikTok agora atinge 24% das pessoas com menos de 35 anos, com taxas de penetração mais altas na Ásia e na América Latina.

O Facebook (FB) é visto como a principal via para disseminação de informações falsas, embora aplicativos de mensagens, como o WhatsApp, também desempenhem um papel importante nesse caso.

Mas os gigantes da tecnologia também serviram como uma avenida para a dissidência, disse o Instituto Reuters, citando protestos no Peru, Indonésia, Tailândia, Mianmar e Estados Unidos.

Mais pessoas desconfiavam das notícias do que confiavam nelas nos Estados Unidos, onde a derrota de Donald Trump nas eleições presidenciais de 2020 reduziu a demanda por notícias.

Em termos gerais, as pessoas que sentiram que a mídia foi injusta eram aqueles com uma visão política inclinada à direita. Jovens de 18 a 24 anos, negros e hispano-americanos, alemães orientais e certas classes socioeconômicas britânicas achavam que estavam sendo retratados de forma injusta.

“Embora o jornalismo imparcial ou objetivo seja cada vez mais questionado por alguns, em geral as pessoas apoiam fortemente o ideal de notícias imparciais”, escreveu Craig T. Robertson, pesquisador de pós-doutorado do Instituto, no relatório. “As pessoas querem o direito de decidir por si mesmas.”

O Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo é um centro de pesquisa da Universidade de Oxford que acompanha as tendências da mídia.

A Fundação Thomson Reuters, braço filantrópico da Thomson Reuters, financia o instituto.

Gostou desta notícia? Baixe o nosso app para ler, em apenas um clique, esta e mais de 150 matérias diárias.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por André Luiz - 22/06/2021 - 21:02

Pela Web