Economia

CPI a 3,3% surpreende expectativas e variação mensal fica estável em maio; confira

12 jun 2024, 10:04 - atualizado em 12 jun 2024, 10:04
cpi inflação dos eua
Inflação medida pelo CPI desacelerou, apesar das projeções de alta para o índice (Imagem: REUTERS/Elizabeth Frantz/File Photo)

Os preços ao consumidor dos Estados Unidos (EUA) surpreenderam e ficaram inalterados em maio diante da gasolina mais barata, mas a inflação provavelmente continua alta demais para que o Federal Reserve (Fed) comece a cortar os juros antes de setembro, tendo como pano de fundo um mercado de trabalho persistentemente forte.

A leitura inalterada do Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês), divulgada pelo Departamento do Trabalho nesta quarta-feira (12), mostra desaceleração após aumento de 0,3% em abril.

O índice de preços ao consumidor tem apresentado uma tendência de queda desde que registrou leituras fortes em fevereiro e março. As pressões dos preços podem continuar a se moderar à medida que os principais varejistas, incluindo a Target, reduzem os preços de produtos que vão de alimentos a fraldas, na tentativa de atrair os consumidores preocupados com a inflação.

Nos 12 meses até maio, o índice avançou 3,3%, de 3,4% em abril. Economistas consultados pela Reuters projetavam alta mensal de 0,1% e de 3,4% no comparativo anual.

Apesar de CPI surpreender, batalha contra a inflação está longe de acabar

Embora o aumento anual dos preços ao consumidor tenha desacelerado em relação ao pico de 9,1% em junho de 2022, a inflação continua acima da meta de 2% do banco central dos EUA.

O crescimento do emprego acelerou em maio e os salários aumentaram, mas a taxa de desemprego subiu para 4%, informou o governo na semana passada.

O Fed deve deixar inalterada a taxa de juros nesta quarta-feira na faixa atual de 5,25% a 5,50%, onde se encontra desde julho.

Os mercados financeiros esperam que o Fed inicie seu ciclo de afrouxamento em setembro, embora essa convicção esteja diminuindo. Alguns economistas estão se inclinando para um corte em dezembro, mas outros não têm tanta certeza de que os custos dos empréstimos serão reduzidos este ano.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o índice subiu 0,2% em maio, depois de alta de 0,3% em abril.

Nos 12 meses até maio, o núcleo do índice aumentou 3,4%. Esse foi o menor ganho anual desde abril de 2021 e seguiu-se a um avanço de 3,6% em abril.

Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.