Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Transmissão Paulista dobra lucro e encerra 2º trimestre com R$ 458,3 milhões

30/07/2019 - 19:23
Cteep
Sem o IFRS, o lucro líquido do trimestre caiu 29,8%, indo de R$ 342,3 milhões para R$ 240,3 milhões

A Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (TRPL4) mais do que dobrou o seu lucro líquido do segundo trimestre, de acordo com os dados operacionais publicados pela empresa nesta terça-feira (30). Com variação positiva de 106,4% sob efeito pró-forma, o valor passou de R$ 222 milhões no período entre abril e junho de 2018 para R$ 458,3 milhões.

Sem o IFRS, o lucro líquido do trimestre caiu 29,8%, indo de R$ 342,3 milhões para R$ 240,3 milhões.

A receita operacional líquida na análise pró-forma subiu 72,5% na mesma base comparativa, passando de R$ 556,4 milhões para R$ 959,7 milhões. O valor foi puxado principalmente pela receita de Infraestrutura, pelo ganho na eficiência na implementação de infraestrutura e pela receita ativa da concessão.

Houve queda de 6,4% na receita líquida sem IFRS, tendo o valor em R$ 692,4 milhões.

O Ebitda ajustado isento de norma atingiu R$ 599 milhões, queda de 12,3% em comparação com os R$ 682,9 milhões do segundo trimestre do ano passado. Sob efeito do IFRS, a companhia registrou crescimento de 102,6%, fechando em R$ 706,3 milhões.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Semestre

No primeiro semestre do ano, a CTEEP apresentou crescimento de 82,5% no lucro líquido sob efeito do IFRS, passando de R$ 444,9 milhões para R$ 811,8 milhões. Sem a versão pró-forma, a companhia finalizou o período em R$ 474,4 milhões, queda de 26,7% frente aos primeiros seis meses do ano passado.

Com o IFRS, a receita líquida atingiu R$ 1,9 bilhão – alta de 56,7% ante o primeiro semestre de 2018. Sem o IFRS, o valor caiu 5,8% – R$ 1,4 bilhão para R$ 1,3 bilhão.

O Ebitda em pró-forma registrou crescimento de 82,5% e alcançou R$ 811,8 milhões. Sem o IFRS, o valor ajustado ficou em R$ 1,2 bilhão, o que representa queda de 11,2% em relação ao primeiro semestre de 2018.

Confira abaixo o relatório com os dados operacionais completos:

Última atualização por Diana Cheng - 30/07/2019 - 19:33