Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Debate sobre avanço da inflação nos EUA enfrenta teste em 2021

11/01/2021 - 14:22
A chamada taxa de equilíbrio dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA ultrapassou 2% na última semana, para o maior nível em mais de dois anos (Imagem: Pixabay)

Ainda são minoria, mas investidores e economistas que projetam um avanço da inflação nos Estados Unidos – talvez sério – começam o ano com nova munição para seus argumentos.

As vacinas oferecem a perspectiva do fim das restrições causadas pela pandemia que podem trazer os consumidores de volta.

É o que os economistas chamam de demanda reprimida, um termo agora aplicado literalmente. O governo Biden provavelmente aumentará os gastos das famílias com mais ajuda financeira, depois que os democratas ganharam o controle do Senado. E, como pano de fundo, o dólar perde força e os preços das commodities têm subido continuamente há meses.

Tudo isso elevou indicadores da inflação projetada no mercado títulos. A chamada taxa de equilíbrio dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA ultrapassou 2% na última semana, para o maior nível em mais de dois anos.

Ainda assim, a visão predominante entre economistas – incluindo, de forma crucial, a do Federal Reserve – é que levará anos antes que os EUA tenham que se preocupar com a inflação.

Dados a serem divulgados na quarta-feira devem mostrar que os preços ao consumidor subiram 1,3% em 2020. Com custos em alta para produtores, quase todos preveem inflação mais alta neste ano.

Mas, mesmo até o final de 2022, o indicador mais seguido pelo Fed não ultrapassará a meta de 2%, segundo pesquisas com economistas. E autoridades do Fed querem que a inflação fique acima desse nível por um tempo antes de aumentar as taxas de juros.

Os céticos sobre um avanço da inflação apontam para o mercado de trabalho ainda deprimido pelo vírus, tendências mais profundas na demografia e tecnologia que mantêm os preços baixos e o risco de que políticos retirem o apoio à economia muito cedo, como fizeram no passado recente.

Por outro lado, os gastos fiscais têm sido o motor da recuperação da crise de coronavírus, e o presidente eleito Joe Biden – que promete fazer mais – tem um caminho mais aberto para levar seus planos ao Congresso depois que os democratas conquistaram os dois assentos no Senado nas eleições de segundo turno em 5 de janeiro na Geórgia.

“A agenda de Biden está de volta, o que significa ainda mais expansão fiscal no curto prazo”, diz Aneta Markowska, economista-chefe do Jefferies. Ela espera que os rendimentos dos títulos do Tesouro de 10 anos, que ultrapassaram 1% na semana passada pela primeira vez desde a chegada da pandemia em meados de março, atinjam 2% no final do ano.

Enquanto isso, o Fed, que não pode fazer muito para acelerar a economia no momento, continua no comando dos freios – e espera não ter que pisá-los tão cedo.

Depois de ficar consistentemente abaixo da meta, a nova política do Fed é permitir que a inflação ultrapasse esse nível e permaneça nesse patamar – em uma média de 2% ao longo do tempo – antes de aumentar os juros para esfriar a economia.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 11/01/2021 - 14:23

Cotações Crypto
Pela Web