Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Vitreo DTVM

Demanda por carvão pode ter maior queda anual desde 2ª Guerra

30/04/2020 - 8:59
Carvão
A demanda global por carvão deve cair 8%, informou a Agência Internacional de Energia em relatório que mede o impacto do vírus no setor de energia (Imagem: Pixabay)

A demanda global por carvão deve registrar a maior queda anual desde a Segunda Guerra Mundial sob o impacto das medidas de confinamento sobre a atividade econômica.

A queima de carvão para produzir eletricidade em vários países europeus já não é lucrativa e se tornou socialmente insustentável, como resultado do gás natural mais barato e da expansão de fontes de energia renovável, além de poderosos movimentos de defesa do meio ambiente. A pandemia apenas acelerou o declínio do carvão.

A demanda global por carvão deve cair 8%, informou a Agência Internacional de Energia em relatório que mede o impacto do vírus no setor de energia. A expectativa é que a quantidade de combustível queimado para energia mostre queda de 10%.

Na China, maior consumidora de carvão do mundo, a demanda deve encolher 5%, apesar da recuperação gradual das indústrias desde que as medidas de confinamento foram reduzidas.

Na Europa, onde as políticas de eliminação total do carvão começam a entrar em vigor, a estimativa é de queda de 20% na demanda, enquanto nos EUA a redução pode chegar a 25%, informou a AIE.

Nas últimas duas semanas, Áustria e Suécia anunciaram que fecharam as últimas usinas a carvão e agora fazem parte do grupo de países sem carvão em seu mix de eletricidade, como Albânia, Bélgica, Estônia, Letônia, Lituânia e Noruega.

O Reino Unido não usa carvão há 20 dias, um recorde da era moderna, com a meta de eliminar o uso do combustível até 2025.

A Alemanha pretende abandonar o carvão até 2038, embora forças de mercado desencadeadas pelo coronavírus possam acelerar esse processo.

“Este é um choque histórico para todo o mundo da energia”, disse Fatih Birol, diretor executivo da AIE. “Em meio às crises econômicas e de saúde incomparáveis de hoje, a queda da demanda por quase todos os principais combustíveis é impressionante, especialmente para o carvão, petróleo e gás.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 30/04/2020 - 9:00