Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Deputados discutem risco do rompimento de barragem da CSN

22/03/2019 - 10:18
Câmara diste nesta tarde possível rompimento da barragem (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

comissão externa de Brumadinho está hoje em Congonhas (MG) para debater os riscos do rompimento da Barragem Casa de Pedra, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), localizada no município.

Algo parecido com o que aconteceu no último ciclo de alta da Bolsa está prestes a se repetir. Veja como é possível ganhar ate +2.691% com estes ativos

O deputado Padre João (PT-MG), que pediu o debate, destacou que esta é uma das maiores barragens de mineração em área urbana no mundo. “Classificada como Classe 6 pela Agência Nacional de Águas (ANA), considerada a mais alta em categoria de risco, com capacidade para armazenar quase 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos – a de Brumadinho possuía capacidade de armazenar cerca de 12 milhões”, informou.

Ibovespa pode ter 2 estreantes em abril; Taurus entra no IBrX 100

“O rompimento da barragem de Brumadinho aumentou a preocupação da população [de Congonhas] com a possibilidade real de rompimento desta barragem, que tem capacidade de armazenamento mais de quatro vezes maior que a Brumadinho”, disse Padre João.

Foram convidados para discutir o assunto representantes do poder público, da CSN, da população local, de entidades e movimentos socioambientais, do Ministério Público, entre outros. Confira a lista completa de convidados.

A audiência está prevista para começar às 10 horas, na quadra Dom Oscar, Avenida Ouro Branco, 125, bairro Dom Oscar, em Congonhas.

Barragem de Brumadinho antes do rompimento, barragem de congonhas pode ter o mesmo destino (Corpo de Bombeiros)

Visita técnica
Às 15 horas, os integrantes da comissão farão uma visita técnica à área da Barragem da Casa de Pedra.

A visita foi proposta pelo deputado Leonardo Monteiro (PT-MG). Ele cita dados da Agência Nacional de Mineração (ANM), que mostram que 73% de barragens de rejeitos no País deixaram de ser fiscalizadas em 2017. “Esse é um dos grandes motivos para essas tragédias anunciadas. Temos uma legislação eficaz, o problema é o seu não cumprimento, a falta de fiscalização, de estrutura, e do rigor nas punições previstas”, afirmou.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Bruno Andrade - 22/03/2019 - 10:19