Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Desaceleração chinesa impulsiona pessimismo na semana; Wall Street em queda

24/01/2019 - 20:24

Por Investing.com – A China novamente deu o pontapé inicial da semana, desta vez com a divulgação dos dados referentes à atividade econômica em 2018. O país asiático cresceu 6,6% no ano passado, o menor crescimento em 28 anos, confirmando a desaceleração econômica do país. A expectativa para este ano é expansão de 6%.

Os dados chineses fortaleceram o pessimismo dos investidores com o crescimento econômico mundial em 2019. A perspectiva bearish foi corroborada com a revisão do crescimento do PIB mundial do FMI deste ano, de 3,7% para 3,5%.

Vale deverá apresentar “fortes resultados” no quarto trimestre, diz Safra

Soma-se ao quadro de pessimismo a possibilidade de um desfecho negativo em relação às negociações comerciais entre EUA e China, que se encerra em 1º de março, data estipulada pelo presidente americano Donald Trump. O jornal britânico Financial Times informou na terça-feira que os EUA rejeitariam as propostas chinesas, o que levaria a uma taxação entre 10% e 25% de produtos do país asiático, prejudicando a cadeia global de valor, especialmente do setor de tecnologia. A Casa Branca, logo em seguida, desmentiu o jornal britânico. Na quinta-feira, o Secretário de Comércio americano afirmou, no entanto, que um entendimento entre os dois países ainda estava distante, mas acreditava no acordo.

O resultado é a perda semanal dos mercados acionários de Wall Street até quinta-feira (24), semana em que não houve negociação na segunda-feira em virtude do feriado de Martin Luther King nos EUA. O índice Dow Jones perdia 0,62%, enquanto S&P 500 caía 1,06% e a Nasdaq descia 1,17%. Os pregões americanos não estão em um maior bearish por causa da sinalização do Fed ser paciente em novas elevações da taxa de juros.

A desaceleração chinesa e a perspectiva de crescimento menor em 2019 também impactaram o mercado de petróleo, que tiveram uma semana bearish também pelo elevado estoque de petróleo bruto nos EUA. A crise na Venezuela acabou diminuindo a pressão baixista do petróleo, levando ao encerramento com uma perda pequena – 0,08% a US$ 61,09 – em Londres e alta de 1% a US$ 53,15 em Nova York.

Por fim, a semana teve mais uma decisão de política monetária, desta vez do Banco Central Europeu (BCE). A autoridade monetária da zona do Euro não alterou sua política monetária, como era esperada, mas não descartando elevação da taxa de juros ao longo de 2019.

Leia mais sobre: , , , ,

Última atualização por Vitória Fernandes - 24/01/2019 - 20:24

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto