Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Vitreo DTVM

Dólar avança contra real em dia de feriado nos EUA; fiscal segue no radar

26/11/2020 - 9:21
Às 9:10, o dólar avançava 0,47%, a 5,3456 reais na venda (Imagem: REUTERS/Gary Cameron)

O dólar devolveu seus ganhos contra o real nesta quinta-feira e oscilava em torno da estabilidade, em dia de volumes reduzidos pelo feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, com os investidores continuando a avaliar o cenário doméstico após dados de empregos acima do esperado num contexto de incertezas fiscais.

Às 12:39, o dólar avançava 0,09%, a 5,3252 reais na venda, depois de ter chegado a subir 0,72% na máxima do dia, a 5,3591 reais.

Na B3, o dólar futuro tinha estabilidade, a 5,3230 reais.

Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora, atribuiu essa movimentação a um “dia atípico, sem a referência da ‘matriz’, nos EUA”. “Aqui, fica um dia morno, acompanhando as variações de mercado e sem grandes volumes”, afirmou.

Ele acrescentou que a atenção dos mercados internacionais estava nas perspectivas de mais estímulo econômico na maior economia do mundo, com apostas de que o governo do presidente eleito, Joe Biden, ampliará o auxílio à economia ajudando a melhorar as perspectivas.

Mas, com Wall Street de portas fechadas nesta quinta-feira, o foco passava para as questões domésticas, com vários analistas reagindo positivamente à notícia de que o Brasil abriu 394.989 vagas formais de trabalho em outubro, melhor resultado mensal da série histórica do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), iniciada em 1992, num desempenho atribuído pelo Ministério da Economia à força da retomada econômica.

Os dados vêm num momento de alta incerteza doméstica em meio a temores sobre a saúde fiscal do país.

Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho, disse à Reuters que “as reformas, o Orçamento do ano que vem e discussões acerca do auxílio emergencial” continuam dominando as atenções.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, repetiu na quarta-feira a necessidade de o país se comprometer com uma dinâmica sustentável para o fiscal, defendendo a continuidade das reformas, e disse que a fragilidade fiscal do país contribuiu para a forte desvalorização do real, que tem ficado para trás em relação a seus pares emergentes.

Sua fala provocou reação do ministro da Economia, Paulo Guedes, que relatou uma série de medidas já tomadas e disse haver “falsas narrativas” contra ele, rechaçando ainda estar “desacreditado”.

Em entrevista veiculada nesta quinta, mas feita na quarta, Campos Neto voltou a citar a importância da disciplina fiscal.

O time econômico da Guide escreveu diante dessas manchetes que, “de fato, o plano para a sustentabilidade futura das contas públicas existe, o que não temos é um cronograma confiável em que o mesmo será posto em prática (e aprovado)”.

Enquanto isso, a Covid-19 continua ganhando força no Brasil. Na quarta-feira, o país registrou 47.898 novos casos da doença, maior contagem diária em duas semanas.

O dólar negociado no mercado interbancário fechou a última sessão em queda de 1,03%, a 5,3206 reais na venda.

O BC vendeu nesta quinta todos os 12 mil contratos de swap cambial tradicional ofertados em leilão de rolagem.

(Atualizada às 13h09)

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 26/11/2020 - 13:10