Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Dólar caro ajuda o Brasil, mais do que atrapalha, neste momento

22/11/2019 - 15:42
Ajuda: com economia mundial estagnada, câmbio elevado ajuda as exportações (Imagem: Pixabay)

Entender os motivos e, sobretudo, os efeitos do recorde nominal do dólar, que atingiu R$ 4,20 recentemente, requer sangue frio. Além de todo debate ideológico, o fato é que a alta da moeda americana é causada por motivos que não, necessariamente, refletem um problema estrutural do Brasil. Pelo contrário: neste momento, é possível que o câmbio mais ajude, do que atrapalhe, a recuperação.

Pelo menos, essa é a avaliação da maioria dos analistas que divulgaram relatórios nos últimos dias. Luiz Cesta, especialista da Inversa Publicações, por exemplo, afirma que “dessa vez, o câmbio desvalorizado é mais benéfico para o setor exportador e a retomada da economia do que do lado negativo de trazer de volta o fantasma da inflação.”

O motivo, para ele, é a ajuda que a desvalorização do real dará às exportações brasileiras, num momento em que a economia mundial patina com a guerra comercial entre Estados Unidos e China. Se, por um lado, a quantidade de produtos vendidos pode recuar ou ficar estagnada, por outros, a alta do dólar fará com que os exportadores brasileiros faturem mais em reais, no fim das contas – e é isso que importa.

Sem pressão

Em sua coluna no Money Times, Cesta acrescenta: “o mundo não está crescendo. Quando o mundo não cresce, não é alta a demanda por commodities. Se não há alta demanda por commodities, esses preços se depreciam diminuindo a pressão inflacionária.”

Logo, é verdade que os turistas pagarão mais caro pelas férias no exterior, mas, feitas as contas, a inflação não dará um salto por causa da moeda americana.

Exportações: dólar alto ajuda as empresas brasileiras a faturarem mais, num momento de queda do volume físico de vendas (Divulgação/ Portal Governo Brasil)

Há alguns anos, a alta do dólar seria vista como um sintoma claro de problemas na nossa economia. Mas, um sinal de que isso não é preocupante atualmente é que o risco-país continua comportado, como observa a MCM Consultores Associados, em relatório divulgado nesta sexta-feira (22).

A consultoria lembra, ainda, que esse foi um dos recados que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, deu aos senadores nesta semana, ao participar de uma audiência na Comissão de Assuntos Econômicos.

Sem culpa

Há um certo consenso, entre os economistas, de que uma parcela importante da pressão sobre o câmbio provém do exterior. Primeiro, porque praticamente todas as moedas de países emergentes sentiram uma pressão de alta.

Segundo, a queda da taxa básica de juros (Selic) ao menor nível da história incentiva as empresas brasileiras a trocarem dívidas em dólar por novas, em reais. Por último, a desconfiança com a economia global leva os investidores a evitarem o risco – e a colocarem todos os emergentes no mesmo saco.

As perspectivas para o câmbio também são positivas. Num extenso relatório sobre as perspectivas brasileiras em 2020, divulgado nesta sexta-feira (22), o Goldman Sachs avalia que o real deve continuar “bem ancorado”, dados “o moderado desequilíbrio na conta corrente, os sólidos fluxos de investimento direto, próximos de 4% do PIB, o ambiente de baixa inflação, a recuperação do crescimento, a perspectiva de upgrade no rating soberano, e políticas mais amigáveis aos investimentos e ao mercado.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Márcio Juliboni - 22/11/2019 - 16:32

Cotações Crypto
Pela Web